Noticias

  • Plano de Saúde da NUCLEP tem boa avaliação pela ANS

    A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) avaliou na última semana as operadoras de planos de saúde, cujo resultado foi divulgado no Jornal Extra, da última sexta-feira (21/11). O plano da Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP foi avaliado como bom e figura entre operadoras como Petrobras, BR Distribuidora e Unimed, entre outros. A proposta da equipe do Plano Médico é continuar aprimorar o serviço, garantindo qualidade no atendimento e segurança a todos os trabalhadores.Os 30 critérios para avaliação das operadoras de planos de saúde são atenção à saúde, equilíbrio financeiro das empresas, estrutura de atendimento e a satisfação do usuário, entre outros. Na NUCLEP, essa mesma métrica é utilizada pelo Plano Médico, que avalia cada associado antes de incluí-lo no atendimento. A escolha é rigorosa, já que os trabalhadores e seus familiares são bens preciosos para a empresa.- Nossa preocupação é assegurar um plano de qualidade para os empregados da Nuclep. Estamos empenhados em buscar as melhores opções para a gestão do nosso Plano de saúde – concluiu o presidente Jaime Cardoso.- Estamos sempre buscando melhorar a qualidade do atendimento, com parcerias com médicos e clínicas que sejam referência em sua área de atuação. Temos consciência de que a saúde é nosso maior bem e precisamos dar segurança aos trabalhadores na hora de acessar o plano – frisou a coordenadora do Plano Médico, Nívea Bertão.

  • Plano de Saúde da NUCLEP tem boa avaliação pela ANS

    A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) avaliou na última semana as operadoras de planos de saúde, cujo resultado foi divulgado no Jornal Extra, da última sexta-feira (21/11). O plano da Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP foi avaliado como bom e figura entre operadoras como Petrobras, BR Distribuidora e Unimed, entre outros. A proposta da equipe do Plano Médico é continuar aprimorar o serviço, garantindo qualidade no atendimento e segurança a todos os trabalhadores.Os 30 critérios para avaliação das operadoras de planos de saúde são atenção à saúde, equilíbrio financeiro das empresas, estrutura de atendimento e a satisfação do usuário, entre outros. Na NUCLEP, essa mesma métrica é utilizada pelo Plano Médico, que avalia cada associado antes de incluí-lo no atendimento. A escolha é rigorosa, já que os trabalhadores e seus familiares são bens preciosos para a empresa.- Nossa preocupação é assegurar um plano de qualidade para os empregados da Nuclep. Estamos empenhados em buscar as melhores opções para a gestão do nosso Plano de saúde – concluiu o presidente Jaime Cardoso.- Estamos sempre buscando melhorar a qualidade do atendimento, com parcerias com médicos e clínicas que sejam referência em sua área de atuação. Temos consciência de que a saúde é nosso maior bem e precisamos dar segurança aos trabalhadores na hora de acessar o plano – frisou a coordenadora do Plano Médico, Nívea Bertão.

  • Ministro conhece processo de fabricação de submarinos na NUCLEP

    O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Clélio Campolina Diniz, conheceu na tarde da terça-feira (25/11) o processo de fabricação dos submarinos no parque industrial da Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP, em Itaguaí. O presidente Jaime Cardoso e os diretores Industrial e Comercial, Liberal Zanelatto e Alexandre Gadelha, respectivamente, mostraram ainda todas as obras que estão sendo desenvolvidas na fábrica, atendendo aos mais diversos segmentos. Jaime Cardoso lembrou que, única indústria pesada dentro do ministério, a NUCLEP sempre respondeu com qualidade às necessidades estratégicas do país, mostrando a capacidade da engenharia nacional. A empresa continua sendo a responsável por desenvolver as soluções para as empresas brasileiras, como a produção de cilindros 30B e 48Y, para armazenamento de urânio, que antes eram comprados no mercado internacional. - Atendemos hoje a Marinha, com os cascos resistentes dos submarinos; a Eletronuclear, com os equipamentos para Angra III; e a Petrobras, com módulos, em parceria com as empresas EBE e EBSE; e bocas de sino para plataformas e navios de armazenamento (FPSO), entre nossos principais clientes. Uma carteira diferenciada para atender a todos os grandes projetos do país – frisou Cardoso. O assessor da Diretoria Industrial, Guilherme Alves, fez uma apresentação sobre as necessidades de investimento na empresa. Pronta a comemorar seus 35 anos, em 2015, a NUCLEP sofre com o processo de atualização dos equipamentos, que começou há cerca de dez anos. O assessor lembrou que a empresa tem boas perspectivas na área nuclear, com o contrato com a Marinha para o desenvolvimento dos equipamentos para o submarino a propulsão nuclear. Campolina ficou impressionado com a estrutura da NUCLEP e com o processo de fabricação dos equipamentos. Ele entendeu as necessidades da empresa e comprometeu-se a buscar formas de garantir o processo de modernização da empresa, que permitirá contratações de mais obras. - Percebi alguns problemas e entendo a real necessidade da NUCLEP. Vamos pensar em reforçar os investimentos e a estrutura esse ano – concluiu o ministro.

  • Ministro conhece processo de fabricação de submarinos na NUCLEP

    O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Clélio Campolina Diniz, conheceu na tarde da terça-feira (25/11) o processo de fabricação dos submarinos no parque industrial da Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP, em Itaguaí. O presidente Jaime Cardoso e os diretores Industrial e Comercial, Liberal Zanelatto e Alexandre Gadelha, respectivamente, mostraram ainda todas as obras que estão sendo desenvolvidas na fábrica, atendendo aos mais diversos segmentos. Jaime Cardoso lembrou que, única indústria pesada dentro do ministério, a NUCLEP sempre respondeu com qualidade às necessidades estratégicas do país, mostrando a capacidade da engenharia nacional. A empresa continua sendo a responsável por desenvolver as soluções para as empresas brasileiras, como a produção de cilindros 30B e 48Y, para armazenamento de urânio, que antes eram comprados no mercado internacional. - Atendemos hoje a Marinha, com os cascos resistentes dos submarinos; a Eletronuclear, com os equipamentos para Angra III; e a Petrobras, com módulos, em parceria com as empresas EBE e EBSE; e bocas de sino para plataformas e navios de armazenamento (FPSO), entre nossos principais clientes. Uma carteira diferenciada para atender a todos os grandes projetos do país – frisou Cardoso. O assessor da Diretoria Industrial, Guilherme Alves, fez uma apresentação sobre as necessidades de investimento na empresa. Pronta a comemorar seus 35 anos, em 2015, a NUCLEP sofre com o processo de atualização dos equipamentos, que começou há cerca de dez anos. O assessor lembrou que a empresa tem boas perspectivas na área nuclear, com o contrato com a Marinha para o desenvolvimento dos equipamentos para o submarino a propulsão nuclear. Campolina ficou impressionado com a estrutura da NUCLEP e com o processo de fabricação dos equipamentos. Ele entendeu as necessidades da empresa e comprometeu-se a buscar formas de garantir o processo de modernização da empresa, que permitirá contratações de mais obras. - Percebi alguns problemas e entendo a real necessidade da NUCLEP. Vamos pensar em reforçar os investimentos e a estrutura esse ano – concluiu o ministro.

  • NUCLEP entrega últimos "embutidos" para Angra III

    A Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP entregou na última sexta-feira (14/11) o último lote de peças, chamadas de embutidos, que servirão para a fixação dos equipamentos no prédio de contenção da usina de Angra III, em Angra dos Reis, no litoral sul fluminense. Elas são instaladas durante o processo de concretagem do prédio do reator, a fim de servirem como base para suportar a instalação perfeita dos equipamentos do coração da usina nucleoelétrica. Para o gerente Roberto Rocha, responsável desse contrato, as peças são importantes dentro do principal prédio da usina e serão instaladas logo em seguida, após a entrega. Além do octógono, um dos primeiros itens a serem concretados, as demais placas e chumbadores serão agora instalados, garantindo a segurança necessária para o posicionamento de todos os equipamentos. - Esses são itens importantes que fazem parte da construção do prédio de contenção, que precisam ser instalados exatamente nesse momento da obra. Foram os primeiros equipamentos desse tipo que a NUCLEP forneceu para Angra – afirmou Rocha. Além dos embutidos, a NUCLEP já entregou dois semi-condensadores e entregará, ao longo de 2015, mais equipamentos de grande porte, como acumuladores e outros semi-condensadores.

  • NUCLEP entrega últimos "embutidos" para Angra III

    A Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP entregou na última sexta-feira (14/11) o último lote de peças, chamadas de "embutidos", que servirão para a fixação dos equipamentos no prédio de contenção da usina de Angra III, em Angra dos Reis, no litoral sul fluminense. Elas são instaladas durante o processo de concretagem do prédio do reator, a fim de servirem como base para suportar a instalação perfeita dos equipamentos do coração da usina nucleoelétrica. Para o gerente Roberto Rocha, responsável desse contrato, as peças são importantes dentro do principal prédio da usina e serão instaladas logo em seguida, após a entrega. Além do octógono, um dos primeiros itens a serem concretados, as demais placas e chumbadores serão agora instalados, garantindo a segurança necessária para o posicionamento de todos os equipamentos. - Esses são itens importantes que fazem parte da construção do prédio de contenção, que precisam ser instalados exatamente nesse momento da obra. Foram os primeiros equipamentos desse tipo que a NUCLEP forneceu para Angra – afirmou Rocha. Além dos "embutidos", a NUCLEP já entregou dois semi-condensadores e entregará, ao longo de 2015, mais equipamentos de grande porte, como acumuladores e outros semi-condensadores.

  • NUCLEP faz história produzindo cilindros para armazenamento de urânio

    Um momento histórico para a indústria brasileira. Assim o coordenador de Projetos da Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP, Luís Gustavo Macedo, definiu a entrega dos cilindros 30B, destinado a armazenar urânio enriquecido, e 48Y, para urânio natural e/ou empobrecido, para as Indústrias Nucleares do Brasil (INB), em Resende, no final de outubro. Os equipamentos são os primeiros produzidos no país e reforçam o caráter pioneiro da empresa na nacionalização de equipamentos. Luís Gustavo ressaltou que a NUCLEP está preparada para atender a demanda prevista pela INB para os próximos anos, inclusive com o crescimento da demanda do enriquecimento de urânio. A empresa espera agora a homologação dos cilindros pela Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) para adicionar mais esse produto a seu portfólio, fazer história e garantir equipamentos de qualidade a todos os parceiros que necessitem desses tipos de cilindros. - Esse é um marco na história da NUCLEP e da INB em relação à soberania nacional, já que nenhuma empresa brasileira comercializa esses cilindros ainda – afirmou Luís Gustavo, lembrando que a fabricação foi concluída segundo as normas ASTM VIII, ISO 7195: 2005 e as diretrizes da CNEN. O coordenador de Implantação e Comissionamento da INB, Vagner Bizzo, lembrou que, além da questão econômica, o início da produção desses equipamentos é estratégico para a empresa e para o projeto nuclear brasileiro. Ele lembrou que a INB, atualmente, importa os equipamentos da Europa, mas algumas empresas já sinalizaram que não continuarão com a produção, tornando essencial que o país apresente sua solução. O pioneirismo da NUCLEP foi destacado pelo superintendente de Enriquecimento Isotópico da INB, Ezio Ribeiro, uma vez que nunca uma embalagem para transporte de material nuclear foi projetada, fabricada, testada e licenciada no Brasil. Ele ressaltou que esses cilindros são de extrema importância para os propósitos comerciais e estratégicos da INB e do Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo (CTMSP). - Cilindros desse tipo são imprescindíveis e essenciais para a operação e segurança das Fábricas de Conversão e Reconversão e da Usina de Enriquecimento de Urânio em operação tanto na INB, quanto no CTMSP – concluiu o superintendente de Enriquecimento.

  • Ministra quer reforçar caráter social do Centro de Treinamento Técnico

    A ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, ressaltou nesta quarta-feira (15-10), durante visita ao estande da Nuclebrás Equipamentos Pesados S.A – NUCLEP na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, no Parque da Cidade Sarah Kubitschek, em Brasília, que quer reforçar o caráter social do Centro de Treinamento Técnico (ITT). Para ela, a melhor forma de se investir no desenvolvimento social é através da educação e qualificação profissional.Tereza Campello acompanhou as explicações sobre o trabalho desenvolvido pelo ITT e reconheceu que é importante buscar formas de melhorar cada vez mais o conteúdo pedagógico e envolver a comunidade nesse desenvolvimento. Ela quer visitar a NUCLEP a fim de conhecer a escola e encontrar um modo de transformar o ITT em um pólo irradiador de crescimento social para os aprendizes e toda a população do entorno.- Quero conhecer o Centro de Treinamento para ver uma forma de transformá-lo em uma ferramenta importante para o desenvolvimento social da região. A educação é o principal caminho para o resgate social – frisou a ministra, enquanto chamava o secretário nacional de Ciência e Tecnologia para a Inclusão Social, Oswaldo Duarte Filho, e  representantes do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) para conhecer os projetos apresentados no estande.O gerente do ITT, Rodolfo Guedes, lembrou que a escola foi a primeira construída em um parque industrial e referência para a criação do Pronatec. Os representantes do programa comprometeram-se a visitar o Centro de Treinamento Técnico, a fim de buscar investimentos para reforçar a escola como ferramenta de difusão de ciência, tecnologia e conhecimento.- Nós fomos a primeira escola dentro de um parque fábrica, dando início a uma política de qualificação aliada à produção. Queremos ampliar esse nosso papel de transformador da sociedade através do conhecimento – concluiu Guedes.

  • Ministros estimulam parceria de empresas para desenvolvimento da ciência

    Ao aplaudir a parceria do Instituto TIM com o CNPq para o lançamento de dois editais na área de divulgação científica, o ministro de Ciência Tecnologia e Inovação, Clélio Campolina, abriu nesta terça-feira (14-10) a 11ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, no Distrito Federal. Ao lado do ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, ele estimulou novas propostas, a fim de dar aos trabalhadores um acesso mais fácil ao conhecimento e novas tecnologias.Campolina lembrou que o Brasil apresenta um déficit histórico em ciência e tecnologia, o que o levou a elogiar quatro estudantes que foram premiados na Feira Internacional de Tecnologia de Los Angeles, nos Estados Unidos, onde participaram estudantes de 70 países; e outros quatros que ganharam medalha de prata na Olimpíada de Astronomia e Astrofísica, na Romênia, disputando com alunos de 42 países. Para ele, a ciência precisa fazer parte do dia a dia da população.- Uma feira dessa natureza tem um papel extraordinário principalmente num país com as características do Brasil, onde nós temos um déficit educacional e científico histórico. É uma oportunidade de mostrar em várias partes do Brasil o papel central da educação, da ciência e da tecnologia para a promoção do desenvolvimento e neste ano, com um olhar especial para o compromisso social da educação e da ciência – frisou o ministro de Ciência, Tecnologia e Inovação.  O secretário de Ciência e Tecnologia para a Inclusão Social (Secis), Oswaldo Duarte Filho, mostrou a evolução da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia ao longo desses 11 anos. No primeiro ano, em 2003, foram 250 municípios com 1.800 atividades. Hoje há eventos de popularização da Ciência, Tecnologia e Inovação em mais de mil municípios, com mais de 35 mil atividades acontecendo concomitantemente em todo o país. O evento de Brasília reúne mais de 100 expositores e deve ultrapassar os 100 mil visitantes até o próximo domingo.- A semana nacional, juntamente com outras ações de popularização como os nossos museus de ciências, as feiras de ciências e as olimpíadas, tem fomentado a ciência e a tecnologia na sociedade fazendo a divulgação do papel da ciência perante a população como um todo – afirmou o secretário.O ministro do Trabalho e Emprego ressaltou que é essencial considerar o acesso ao conhecimento e à tecnologia como mecanismos de inclusão social. Manoel Dias lembrou que são os jovens e os trabalhadores que estão com a missão de construir um país melhor para todos, assim como colocar o Brasil em seu lugar de direito entre os líderes do mundo.- Historicamente os trabalhadores foram tratados como mão de obra e eles precisam ser os principais detentores do conhecimento porque  são eles que vão construir a riqueza nacional – concluiu Dias.VISITAA presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Helena Nader, visitou o estande da Nuclebrás Equipamentos Pesados S.A – NUCLEP na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, em Brasília, e comprometeu-se a visitar o parque industrial e o Centro de Treinamento Técnico (ITT) ainda esse ano. Para ela, é preciso buscar parcerias para desenvolver e popularizar a ciência.- É a única forma de a gente poder educar de fato a população, mostrando que a ciência está presente no nosso dia a dia e é responsável pelos avanços, inclusive, da condição social.

  • Ministro visita estandes da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia

    O ministro de Ciência, Tecnologia e Inovação, Clélio Campolina, visitou na tarde desta segunda-feira (13/10), os estandes das unidades de pesquisas e empresas ligadas ao MCTI, no Pavilhão de Exposições do Parque Sarah Kubitschek, em Brasília. A abertura do evento será nesta terça, mas o ministro queria agradecer pessoalmente a todos os que atenderam ao chamado para a difusão da ciência.Com o tema de Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Social, a Semana, que reúne vários ministérios, quer mostrar aos alunos das redes pública e particular do Distrito Federal e cidades próximas, as pesquisas que estão sendo desenvolvidas em todo o país. A Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP está presente com duas maquetes interativas, sendo uma casa inteligente e uma ponte rolante, mostrando os desafios enfrentados pelos trabalhadores no dia a dia do parque industrial.- Imagino os desafios enfrentados por esses trabalhadores. Ainda mais em uma empresa com porte da NUCLEP – frisou o ministro Clélio Campolina, acompanhado pelo secretário nacional de Ciência e Tecnologia para a Inclusão Social, Oswaldo Barba, enquanto tentava mover a carga na maquete da ponte rolante.O gerente do Centro de Treinamento Técnico (ITT), Rodolfo Guedes, reiterou a importância da participação em eventos como esse, para a troca de informações e experiências. A cada ano os instrutores que participam das feiras levam novas idéias para seus alunos e ajudam na difusão de uma ciência cada vez mais presente no dia a dia, levando os estudantes a pensarem um futuro cada vez melhor para a população.- Esses eventos são importantes por permitir a troca de experiências. Participar significa sair daqui com novas idéias e projetos, que irão estimular os estudantes a viver a ciência, a tecnologia e a inovação em seu dia a dia. E a NUCLEP quer ser sempre referência na qualidade de seus alunos e trabalhadores – concluiu Guedes.

Páginas