Noticias

  • Ministro da Defesa conhece Programa de Desenvolvimento de Submarinos

    O ministro da Defesa, Jaques Wagner, o comandante da Marinha, almirante Leal Ferreira e o Chefe do Estado Maior Conjunto das Forças Armadas, General de Exército De Nardi, visitaram na manhã desta terça-feira (24/02) o parque industrial da Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP, além da Unidade de Fabricação de Estruturas Metálicas (UFEM) e a nova base e estaleiro naval, em Itaguaí. O ministro veio conhecer o Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB), em parceria com o governo francês, para a produção de quatro submarinos convencionais e um a propulsão nuclear. O ministro viu a produção dos cascos resistentes na fábrica da NUCLEP e seguiu para a UFEM, onde são instaladas as tubulações e demais equipamentos para a habitabilidade dos submarinos. Antes, entretanto, Jaques Wagner participou de uma palestra do almirante Gilberto Max Roffé Hirschfeld, coordenador do PROSUB, que mostra todas as vantagens do programa, como a transferência de tecnologia, por exemplo. - Essa visita reforça a importância do programa e mostra a excelência de todos os participantes do processo.  Estamos aprendendo novas técnicas de construção, qualificando-nos para estar sempre prontos a atender  as demandas estratégicas da Nação – frisou o presidente da NUCLEP, Jaime Cardoso. A NUCLEP, que completa 35 anos, tem ampliado sua participação no segmento de indústria pesada nacional. Criada para atender ao programa nuclear brasileiro, desde meados da última década a empresa ampliou seu portfólio de obras e se reposicionou no mercado, atendendo a todos os projetos estratégicos para o país. Em 2013 a empresa foi cadastrada como Empresa Estratégica de Defesa, sendo uma das primeiras do país a participar da regulamentação da lei.

  • NUCLEP é parceira ideal para projetos nucleares

    O vice-presidente global da divisão nuclear da Westinghouse, Graham Cable, frisou que a Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP é a parceira perfeita para o desenvolvimento de projetos nucleares no Brasil. A Westinghouse observa o desenrolar do programa nuclear brasileiro e quer ampliar a participação no setor, tão logo haja a retomada do processo. - Nos encontramos, por exemplo, com a NUCLEP, que é uma empresa importantíssima. Se houvesse uma nova usina nuclear no Brasil, não importa quem fosse a empresa escolhida para fornecer o projeto, todos gostariam de trabalhar com a NUCLEP. Então fomos encontrá-los, para ouvir as posições deles sobre o assunto – ressaltou Cable ao responder a pergunta sobre potenciais parceiros no Brasil, em entrevista ao site Petronotícias. A Westinghouse discute também com a Associação Brasileira para Desenvolvimento de Atividades Nucleares (Abdan) o avanço das propostas para a construção de novas plantas nucleoelétricas e a necessidade que o país tem de tomar essas decisões com urgência. Leia a entrevista na íntegra no site  http://www.petronoticias.com.br/archives/63907

  • NUCLEP e CNEN discutem oportunidades no setor nuclear brasileiro

    O presidente da Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP, Jaime Cardoso, recebeu nesta segunda-feira (09/02) o presidente da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), Ângelo Padilha, para discutir as oportunidades no setor nuclear brasileiro. Os dois frisaram a importância de se continuar a construção de centrais nucleares para evitar a perda de capacidade tecnológica e garantir ao país a geração de energia tão necessária ao desenvolvimento. O debate, que está diretamente relacionado ao planejamento estratégico da NUCLEP, tem por objetivo mostrar a importância de um planejamento eficaz para o setor. De acordo com o Presidente da CNEN, o Programa Nuclear Brasileiro, com cerca de 60 anos de criação, é enxuto e de grande sucesso. Como exemplo ele falou das usinas nucleoelétricas de Angra 1 e Angra 2, que sozinhas geram metade da energia consumida no território fluminense. - Achamos que essa discussão é importante para fortalecer o relacionamento com os principais atores das áreas de Negócios da NUCLEP. Um planejamento eficaz é de suma importância para que o país possa continuar desenvolvendo novas tecnologias e as empresas possam se atualizar na relação com o mercado – concluiu o presidente da NUCLEP.

  • NUCLEP e Marinha do Brasil cortam a primeira chapa do SBR-3

    Um evento que demonstra a integração entre as empresas que estão construindo o submarino brasileiro e caminham juntas para a produção do primeiro submarino com a propulsão nuclear do Brasil. Assim o Comandante da Marinha, Almirante-de-Esquadra Júlio Soares de Moura Neto, iniciou seu discurso, na última terça-feira (13/01), na cerimônia de corte da primeira chapa do SBR-3, terceiro submarino convencional construído dentro do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB). Antes, no discurso de boas vindas, o presidente da Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP, Jaime Cardoso, elogiou sua força de trabalho e disse que a empresa fica honrada em ter sido escolhida pela Marinha para participar desse projeto, estratégico para a Nação. Ele agradeceu pessoalmente ao comandante Moura Neto, a quem entregou uma placa alusiva ao evento, pela  parceria na conquista de mais essa vitória. - Quero agradecer pessoalmente ao comandante Moura Neto, que sempre acreditou na qualidade de nosso trabalho e na excelência de nossos empregados. Estamos aqui juntos em mais esse momento de grande importância para o país – frisou Cardoso. O acionamento da máquina foi feito pelo Comandante da Marinha Moura Neto; pelo novo Comandante nomeado para a Marinha, Almirante Eduardo Bacellar Leal Ferreira; o diretor geral de Material da Marinha, Luiz Guilherme Sá de Gusmão; pelo coordenador geral do Programa de Desenvolvimento com Propulsão Nuclear, Gilberto Max Roffé Hirschfeld; por Jaime Cardoso; e pelo presidente da Itaguaí Construções Navais (ICN), Pascal Le Roy. A parceria com o governo francês prevê a construção, com transferência de tecnologia, de quatro submarinos convencionais e um a propulsão nuclear. - O estreitamento da parceria entre NUCLEP e ICN tem contribuído para que eventos como esse sejam uma realidade. Estamos trabalhando com novas tecnologias, absorvendo novas idéias e nos preparando para o desafio da construção do primeiro submarino de propulsão nuclear. Parabenizo aqui os trabalhadores das duas empresas pela capacidade de construir juntos um futuro melhor para nosso país – aplaudiu Moura Neto. Após a cerimônia, todos seguiram para a linha de produção da ICN, onde já estão seções do primeiro submarino, construídas pela NUCLEP e entregues à ICN, em 06/01/2015, responsável por dar prosseguimento à construção, instalando tubulações e equipamentos a bordo, bem como cabos elétricos e redes hidráulica e pneumática, entre outros. 

  • NUCLEP entrega subseções do SBR-1

    A Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP entregou à Itaguaí Construções Navais (ICN), nesta terça-feira (06/01), as subseções 05, 06 e 07, que compõem a seção 2A do SBR-1. Esse será o primeiro submarino da classe Scorpéne produzido no país, em parceria com o governo francês, com previsão de ser lançado oficialmente em 2017. As subseções encontram-se unidas e prontas para receber o escotilhão – importante peça do casco resistente que permitirá a retirada de grandes equipamentos, como os motores a diesel, durante os períodos de manutenção de maior complexidade. A seção irá se juntar à parte da “vela” do submarino, uma das partes mais complexas da embarcação. Juntamente com a entrega da seção de qualificação, realizada em 02/09/2014, a entrega das subseções 05, 06 e 07 constitui mais um importante avanço no Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB) e reforça a capacidade da NUCLEP em atender com excelência as demandas estratégicas do país. Empresa Estratégica de Defesa (EED), a NUCLEP tem um portfólio que abrange, além dos cascos resistentes, a construção de equipamentos para usinas nucleares e para plataformas de exploração de petróleo, entre outros. Iniciado em 2008, o PROSUB é uma parceria firmada entre o Brasil e a França e prevê, entre outros pontos, a transferência de tecnologia necessária à construção de quatro submarinos convencionais diesel-elétrico e também do futuro submarino brasileiro de propulsão nuclear.

  • NUCLEP entrega subseções do SBR-1

    A Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP entregou à Itaguaí Construções Navais (ICN), nesta terça-feira (06/01), as subseções 05, 06 e 07, que compõem a seção 2A do SBR-1. Esse será o primeiro submarino da classe Scorpéne produzido no país, em parceria com o governo francês, com previsão de ser lançado oficialmente em 2017. As subseções encontram-se unidas e prontas para receber o escotilhão – importante peça do casco resistente que permitirá a retirada de grandes equipamentos, como os motores a diesel, durante os períodos de manutenção de maior complexidade. A seção irá se juntar à parte da “vela” do submarino, uma das partes mais complexas da embarcação. Juntamente com a entrega da seção de qualificação, realizada em 02/09/2014, a entrega das subseções 05, 06 e 07 constitui mais um importante avanço no Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB) e reforça a capacidade da NUCLEP em atender com excelência as demandas estratégicas do país. Empresa Estratégica de Defesa (EED), a NUCLEP tem um portfólio que abrange, além dos cascos resistentes, a construção de equipamentos para usinas nucleares e para plataformas de exploração de petróleo, entre outros. Iniciado em 2008, o PROSUB é uma parceria firmada entre o Brasil e a França e prevê, entre outros pontos, a transferência de tecnologia necessária à construção de quatro submarinos convencionais diesel-elétrico e também do futuro submarino brasileiro de propulsão nuclear.

  • NUCLEP é certificada empresa cidadã pelo terceiro ano consecutivo

    A Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP na noite desta quarta-feira (26/11), foi certificada pelo terceiro ano consecutivo como Empresa Cidadã, pelo Conselho Regional de Contabilidade (CRC-RJ). A premiação além de estimular, é um reconhecimento de que as empresas, nos seus programas de investimentos, estão comprometidas com os problemas sociais e ambientais,  contribuindo para o desenvolvimento não apenas de suas atividades econômicas, mas sobretudo da comunidade do seu entorno.Para o contador Clezio dos Santos Oliveira, que foi  certificado juntamente com a NUCLEP, documentos como esse, serão fatores determinantes das empresas no futuro. Para ele, o mundo está chegando a um nível de conscientização em que os investimentos serão priorizados para empresas que tenham compromissos com parâmetros socialmente sustentáveis. No caso da NUCLEP, disse, a expectativa é de que a empresa continue a receber o prêmio todos os anos e espera que num futuro próximo, certificados desta natureza, venham ser um diferencial para quem desejar participar de licitação.Em seu 12º ano de história, o CRC-RJ fez um balanço da certificação Empresa Cidadã, mostrando a importância da transparência contábil. Esse ano se inscreveram 74 empresas de todas as regiões do país que, juntas, representam 33% do Produto Interno Bruto (PIB), arrecadando R$ 1,5 trilhão. Elas empregam mais de 655 mil trabalhadores, o que mostra a importância da premiação e da participação do setor produtivo.A avaliação dos balanços das empresas que concorrem ao prêmio é feita pela equipe da pré-reitora de Gestão e Governança da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Aracéli Cristina de Sousa Ferreira, que discursou sobre a necessidade da construção de políticas e ferramentas nas empresas que garantam ações sociais permanentes. Para ela, é importante que se discuta o que é responsabilidade social e qual o lucro social das empresas.

  • NUCLEP é certificada empresa cidadã pelo terceiro ano consecutivo

    A Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP na noite desta quarta-feira (26/11), foi certificada pelo terceiro ano consecutivo como Empresa Cidadã, pelo Conselho Regional de Contabilidade (CRC-RJ). A premiação além de estimular, é um reconhecimento de que as empresas, nos seus programas de investimentos, estão comprometidas com os problemas sociais e ambientais,  contribuindo para o desenvolvimento não apenas de suas atividades econômicas, mas sobretudo da comunidade do seu entorno.Para o contador Clezio dos Santos Oliveira, que foi  certificado juntamente com a NUCLEP, documentos como esse, serão fatores determinantes das empresas no futuro. Para ele, o mundo está chegando a um nível de conscientização em que os investimentos serão priorizados para empresas que tenham compromissos com parâmetros socialmente sustentáveis. No caso da NUCLEP, disse, a expectativa é de que a empresa continue a receber o prêmio todos os anos e espera que num futuro próximo, certificados desta natureza, venham ser um diferencial para quem desejar participar de licitação.Em seu 12º ano de história, o CRC-RJ fez um balanço da certificação Empresa Cidadã, mostrando a importância da transparência contábil. Esse ano se inscreveram 74 empresas de todas as regiões do país que, juntas, representam 33% do Produto Interno Bruto (PIB), arrecadando R$ 1,5 trilhão. Elas empregam mais de 655 mil trabalhadores, o que mostra a importância da premiação e da participação do setor produtivo.A avaliação dos balanços das empresas que concorrem ao prêmio é feita pela equipe da pré-reitora de Gestão e Governança da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Aracéli Cristina de Sousa Ferreira, que discursou sobre a necessidade da construção de políticas e ferramentas nas empresas que garantam ações sociais permanentes. Para ela, é importante que se discuta o que é responsabilidade social e qual o lucro social das empresas.

Páginas