Noticias

  • NUCLEP prestigia o 1° 'R2B Research to Business Itália-Rio de Janeiro'

    Organizado pelo Consulado-Geral da Itália no Rio de Janeiro e pelo Comitê dos pesquisadores italianos da PUC-Rio, o R2B Research to Business Itália-Rio de Janeiro é o primeiro encontro científico-tecnológico destinado a criar uma rede de colaboração entre os pesquisadores italianos e a realidade industrial brasileira.
    O evento que ocorreu na última quinta-feira (19), no Consulado-Geral da Itália no Rio de Janeiro, se propôs identificar a convergência de interesses entre empresas italianas e brasileiras, e pesquisadores. As Energias Renováveis e Meio Ambiente, Medicina e Tecnologia de Alimentos; Materiais Avançados e Nanotecnologia; Astrofísica e Engenharia Aeroespacial; e Informática e Telecomunicações foram as linhas estratégicas abordadas.
    O encontro contou com a participação do Embaixador da Itália, Antônio Bernardini; o Secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação do Governo do Estado do Rio de Janeiro, Leonardo Rodrigues; e o Subsecretário de Cooperação para Tecnologia e Inovação, Filippo Scelza.
    Representando a NUCLEP, os respectivos Assessores da Presidência e da Diretoria Administrativa, Wagner Coelho e Pedro Lepsch, e o Gerente Geral de Negócios e Inteligência Competitiva, Ricardo Corrêa.
    Além da NUCLEP, prestigiaram o evento empresas que atuam no setor tecnológico em nível nacional e internacional como ENEL, SAIPEM, Codemar SA, BRACCO, TERNIUM, TELESPAZIO e TIM.

  • Marinha do Brasil e NUCLEP debatem novas oportunidades em São Paulo

    Sempre conectado aos anseios da Marinha do Brasil e em seus propósitos para fortalecimento do nosso setor Naval, o presidente da NUCLEP, Contra Almirante Carlos Henrique Silva Seixas, esteve ontem (25.9) em São Paulo, no Centro Tecnológico da Marinha, em reunião com os Diretores da Amazul Tecnologia S.A., da Diretoria-Geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha e do próprio CTMSP.
     
    Na pauta, a definição da companhia para a retomada da fabricação do Bloco 40, o Reator Nuclear do Laboratório de Geração Nucleoelétrica. O LABGENE é parte essencial do Programa Nuclear da Marinha (PNM), ele é o protótipo, em terra, da planta nuclear do futuro submarino com propulsão nuclear brasileiro (SN-BR). Servirá também de base e de laboratório para outros projetos nucleares de potência no Brasil.
     
    Presentes ao encontro com o C. Alte Carlos Henrique Silva Seixas; o Diretor-presidente da AMAZUL, Vice-Almirante, Antonio Carlos Soares Guerreiro; o Coordenador Comercial da AMAZUL, Comte. Nilo de Almeida (CF); o Diretor do CTMSP, Vice-Almirante Noriaki Wada; além do Diretor de Administração e Finanças da AMAZUL, C. Alte Antônio Bernardo Ferreira, e do Diretor de Desenvolvimento Nuclear da MB, C. Alte Guilherme Dionizio Alves. 

  • Projeto ‘Nuclepinho por um futuro melhor’ inicia suas atividades socioambientais em Itaguaí

    O projeto socioambiental ‘Nuclepinho por um futuro melhor’, idealizado pela gerência geral de Meio Ambiente, teve início nessa terça-feira (24), na Escola Municipal Elmo Baptista Coelho, na Ilha da Madeira, em Itaguaí. Com a intenção de sensibilizar alunos e professores ao consumo consciente no desenvolvimento do país, a campanha percorrerá todas as escolas municipais pela conscientização.
     
    A diretora da escola, Ilma Pereira, e a responsável pela Educação Ambiental na Secretária de Educação de Itaguaí, Patrícia Plácido, recepcionaram os Técnicos Ambientais da NUCLEP, Thiago Soares e Vinícius Moreira, que, acompanhados da auxiliar, Erenice Garcia, iniciaram as atividades com os alunos do 4° ao 9° ano.
     
    A palestra abordou os danos causados à natureza pela extração de matéria prima; como é o processo de fabricação e uso dos produtos; e a diferença entre consumo e consumismo.
     
    Preocupada com o desmatamento e o seu futuro, a aluna Julia, do 6° ano fundamental questionou sobre a compensação ambiental. “E se a gente cortasse uma árvore e plantasse uma no lugar, teríamos o problema que temos hoje?”
     
    Tendo em vista a importância em se planejar e poder reutilizar o que for consumido, Thiago apresentou soluções práticas sustentáveis, como a do Muro Verde, Minhocário e alternativas para se evitar o consumo excessivo de água. “Minha mãe joga fora o vidro em caixas de leite e escreve ‘vidro’ para que o catador não se corte”, ressaltou Hebert, aluno do 5° ano fundamental.
     
    Ao longo do dia, as palestras se encerraram com uma dinâmica de grupo em que os alunos tinham que identificar determinados produtos nas respectivas coletas seletivas.
     
    O projeto é resultado da Semana Nacional dedicada ao Meio Ambiente, promovida pela Comissão Ambiental da NUCLEP e ocorrida este ano entre os dias 4 e 7 de junho.
     
    As ações acontecem em parceria com a Secretaria Municipal de Educação, em consequência do bom resultado sucesso alcançado com as palestras educacionais sobre responsabilidade socioambiental na região.

  • NUCLEP encerra com sucesso participação na 63ª Conferência Geral da AIEA

    Em seu terceiro ano consecutivo na Comitiva Brasil da Conferência Geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), a NUCLEP encerra hoje (20/9) mais uma participação de sucesso no maior encontro do setor nuclear no mundo.
     
    Enquanto o presidente da NUCLEP, Contra Almirante Carlos Henrique Silva Seixas, junto aos presidentes das empresas, instituições e autarquias nucleares mais importantes no país – Marinha do Brasil; NUCLEP; AMAZUL; INB; Eletronuclear; e CNEN, acompanhou a programação organizada pelo Itamaraty e o Ministério de Minas e Energia em apresentações oficiais e reuniões com comitivas de Estados-Membros da AIEA e de organizações internacionais, nossos diretores Industrial, Comte. Affonso Alves (CMG/EN), e Comercial, Nicola Neto, se dividiam em missões direcionadas às suas áreas.
     
    Embora a Conferência tenha o maior foco no debate e manutenção aos 137 países membros da promoção do uso pacífico da energia nuclear,  é também um importante foro para estreitar laços com outros atores e empresas privadas da área nuclear.
     
    E foi com esse desígnio que o Diretor Comercial, Nicola Neto, durante os cinco dias de AIEA, acompanhado quase sempre pelo seu Gerente de Vendas, André Abrantes,dividiu-se entre apresentar o Estande Brasil aos nossos visitantes e também circular e apresentar a NUCLEP à potenciais parceiros.
     
    Já o Diretor Industrial, quando não na companhia do seu Técnico em Métodos e Processos, Luiz Carlos Chaves - que se dedicou ao Estande Brasil à recepcionar os visitantes e explicar sobre a NUCLEP - cumpriu parte dos chamados ‘Side Events’. Essa programação é a oficial da Conferência e possibilitou ao Comte. Affonso interagir com as mais novas técnicas e recursos do setor. Uma imersão industrial no que há de mais moderno para o mundo nuclear.
     
    Em uma dessas agendas ele visitou o Laboratório de Análise de Salvaguardas da AIEA, onde são realizadas as atividades para verificar se um Estado estaria violando seus compromissos internacionais de não desenvolver programas de armas nucleares (foto). 
     
    Em 2019, o estande Brasil surpreendeu com uma área em comum à Argentina, demonstrando a parceria estratégica entre os dois países no setor nuclear, já que ambos desenvolvem projetos complementares de Pequenos Reatores Modulares. 
    Para o presidente da NUCLEP, C. Alte Seixas, a participação do Brasil em 2019 foi diferenciada e destacou a valorização e expansão do setor nuclear nacional aos olhos da AIEA.
     
    “A 63ª Conferência da AIEA acontece em um momento especial e diferenciado para o Brasil. O ministro de Minas e Energia, Alte. de Esquadra Bento Costa Lima Leite de Albuquerque Junior, ressaltou a todo momento que setor nuclear é um pilar único e insubstituível da estratégia nacional para o desenvolvimento sustentável, e garantiu que o Brasil continuará a investir em energia nuclear. Grande participação do Brasil e bons frutos à nossa NUCLEP, que tem tudo para continuar como ícone nacional na construção desse futuro”, finalizou.

  • Programa Nuclear da Marinha é destaque na 63ª Conferência Geral da AIEA

    Em mais um dia de atividades para a Comitiva do Brasil na 63ª Conferência Geral da Agência Internacional de Energia Atômica, em Viena, destacou-se ontem (18.9), a apresentação do Plano Nuclear da Marinha do Brasil, feita pelo cientista e ex-Diretor de Ciências Nucleares e Aplicações da AIEA, Dr.Aldo Malavasi , que hoje integra o corpo de especialistas da AMAZUL e do CTMSP.
     
    Na apresentação, reforçou às autoridades da AIEA, o compromisso do Brasil na aplicação e uso da energia na nuclear exclusivamente à fins pacíficos. “Caminhamos comprometidos e alinhados com a política estabelecida pela AIEA e da nossa Constituição Federal. Nosso Programa e Instituições passam por constantes inspeções das organizações internacionais, às quais recebemos com total transparência e compromisso no desenvolvimento de um Programa de propósitos não bélicos”, afirmou.
     
    O cientista deixou claro importância histórica da Marinha no desenvolvimento e avanços do setor nuclear no Brasil. Em decorrência das pesquisas nucleares realizadas pelo oficial da MB, Alte. Álvaro Alberto, no início dos anos 50, foi que o governo federal, quase duas décadas depois, investiu recursos para capacitar o país no ciclo do combustível nuclear, produção de reatores de pesquisa e de potência e, finalmente, no reprocessamento de combustível nuclear utilizado nos reatores.
     
    Na apresentação, Dr. Aldo citou ainda os projetos nucleares em curso e em desenvolvimento pela Marinha, como o LABGENE, RMB (em parceria com a CNEN) e o Submarino de Propulsão Nuclear.
     
    O presidente da NUCLEP, Contra Almirante Carlos Henrique Silva Seixas, elogiou a apresentação do Dr. Aldo Malavasi. “A Marinha é a base do Programa Nuclear do Brasil. O Alte. Alvaro Alberto foi um visionário!Por causa da sua excepcional luta nos anos 50 chamamos a atenção do país. A apresentação foi de encontro à posição do ministro Alte. de Esquadra Bento Costa Lima Leite de Albuquerque Junior, em que ratifica a importância e coerência da atuação direta de militares na gestão de setores do Governo ligados ao desenvolvimento do Programa Nuclear Brasileiro. O ministro sempre ressalta que estivemos presentes em todas as etapas de implantação da energia nuclear no país. A MB teve papel ímpar no desenvolvimento da ultracentrifugação para o enriquecimento do urânio, o que nos fez sétimo país no mundo a dominar a tecnologia”, relembrou o C.Alte Seixas.
     
    E finalizou falando da importância da NUCLEP na história nuclear do Brasil. “É também gratificante como oficial militar, C. Alte, comandar uma empresa grande como a NUCLEP, que, desde o início dessa história, se destaca na construção de equipamentos nucleares de suma importância para a MB e para o país. Ressalto ainda que nos encontros aqui com outras Comitivas de países membros como a França e Paraguai, externamos a expertise nuclear para qual fomos criados, a capacidade e a qualidade da nossa caldeiraria, assim como fortalecemos a parceria com a Argentina. Todas as tratativas com grande receptividade e expectativas para o futuro.”

  • Reuniões entre países membros da AIEA marcam o segundo dia da 63° Conferência Geral em Viena

    Em Viena, como membro da comitiva do Brasil na 63ª Conferência Geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), o presidente da Nuclebrás Equipamentos Pesados S. A, Contra Almirante Carlos Henrique Silva Seixas, dedicou o segundo dia (17.9) do evento à encontros com a delegação de outros países.
     
    As reuniões, organizadas pela equipe do Itamaraty do Embaixador do Brasil na AIEA, Marcel Biato, acontecem em uma sala reservada à comitiva brasileira, e são sempre lideradas pelo ministro de Minas e Energia, Almirante de Esquadra Bento Costa Lima Leite de Albuquerque Junior.  Assim como em 2018, a finalidade dos encontros é a interação entre as delegações dos países membros da Agência, para que possam não apenas trocar experiências mas promover ações entre governos e empresas do setor Nuclear.
     
    Destacam-se entre as reuniões mais importantes do dia, a com os representantes da Electricité de France (EDF). A empresa em 2018 firmou um memorando de entendimento com a Eletronuclear de cooperação na área nuclear do Brasil, para a retomada e conclusão da obras da Usina de Angra 3 e, também, no desenvolvimento de novas usinas nucleares no país.
     
    Na sequência, a delegação brasileira reuniu-se com o vice-ministro de Minas e Energia do Paraguai, Ing. Carlos Zaldivar, e o Embaixador do pais na AIEA, Dr. Juan Francisco Facetti, onde foi discutida a cooperação entre os países nos setores de medicina nuclear, mineração de urânio e segurança de materiais radiativos.
     
    Liderada pelo ministério de Minas e Energia, a Comitiva do Brasil é formada pelas empresas, instituições e autarquias nucleares mais importantes no país – Marinha do Brasil; Nuclebras Equipamentos Pesados S.A (NUCLEP); Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S.A.; Indústrias Nucleares do Brasil (INB); Eletronuclear; e Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN).
     
    A Conferência Geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) é uma instituição vinculada à ONU, com o objetivo de garantir a segurança do uso de energia atômica no mundo.
     
    Em sua 63ª edição - que se encerra no próximo domingo, dia 21/9 - é considerada o mais importante encontro internacional do setor nuclear.
     
    Nas fotos, o presidente da NUCLEP, C. Alte Seixas, com os seus diretores Industrial, Comte. Affonso Alves, e Comercial, Nicola Mirto Neto; e nas reuniões com a EDF e a Delegação do Paraguai.
     

     

  • Criada para atender ao Programa Nuclear Brasileiro NUCLEP participa da 63° Conferência Geral da AIEA

    O presidente da Nuclebras Equipamentos Pesados S.A, Contra Almirante Carlos Henrique Silva Seixas, participou hoje (16.9), da inauguração do estande do Brasil na 63ª Conferência Geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), o mais importante encontro do setor nuclear no mundo.
     
    Representado pelas empresas, instituições e autarquias nucleares mais importantes no país – Marinha do Brasil; Nuclebras Equipamentos Pesados S.A; Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S.A.; Indústrias Nucleares do Brasil; Eletronuclear; Atech Negócios em Tecnologias S/A e Comissão Nacional de Energia Nuclear - o estande Brasil surpreendeu em 2019 com uma área em comum à Argentina, demonstrando a força e união dos países não apenas no desenvolvimento do setor mas nas relações governamentais. Recentemente o país declarou apoio à candidatura do Embaixador argentino Rafael Grossi ao cargo de Diretor Geral da AIEA.
     
    A solenidade reuniu mais de cem autoridades internacionais e contou com discursos do Embaixador do Brasil na AIEA, Marcel Biato, e do ministro de Minas e Energia, Almirante de Esquadra Bento Costa Lima Leite de Albuquerque Junior. O ministro ratificou o compromisso Legal e político do Brasil, como Estado Membro fundador da AIEA, com o uso pacífico da Energia Nuclear.
     
    “Entendemos que o investimento nessa tecnologia é um compromisso com o futuro, e que a diversificação da matriz energética significa segurança, prosperidade e progresso para o país. Destaco contudo a importância de que o uso pacífico da energia nuclear caminhe, de mãos dadas, com a busca dos mais elevados níveis de segurança e proteção nuclear. Nossos programas são voltados para aplicações civis, e intencionamos ainda, estreitar os laços de cooperação com estados amigos, em especial, com os nossos parceiros regionais, somando esforços para o bem-estar de nossas sociedades”, disse.
     
    Em seu terceiro ano consecutivo na AIEA, a NUCLEP, empresa criada para atender ao Programa Nuclear Brasileiro, teve papel fundamental na confecção do estande, interlocução com as empresas, com o Itamaraty e ainda, na organização da parceria com a Argentina. Segundo o presidente da empresa, C. Alte. Carlos Henrique Silva Seixas, sua equipe trabalhou firme para que o novo momento que o Brasil atravessa estivesse bem representado no estande.
     
    “Sempre alinhados à meta do país em prover energia firme, segura e estratégica, destacamos não apenas os pontos pelos quais já somos reconhecidos mas, principalmente, os projetos nucleares que tem importância social para o Governo. O Laboratório de Geração de Energia Nucleoelétrica (Labgene) se tornará no futuro em um ponto de referência para novos projetos de reatores nucleares brasileiros, incluindo as unidades modulares, que poderão gerar eletricidade para localidades remotas e plataformas de petróleo. Já o Reator Multipropósito Brasileiro (RMB) dará ao país autossuficiência na produção de radioisótopos, para fabricação de medicamentos”, celebrou o presidente da NUCLEP, C. Alte. Seixas.
     
     Fundada em 1957, a Agência Internacional de Energia Atômica é uma instituição internacional vinculada à ONU, com o objetivo de garantir a segurança do uso de energia atômica no mundo. Localizada em Viena, na Áustria, é formada por 137 Estados Membros que, anualmente, se reúnem nesta Conferência Geral para eleger 35 membros para o Conselho de Governadores. 
     
    Além do presidente da empresa, fazem parte da comitiva da NUCLEP, os diretores Industrial, Comte. Affonso Alves (CMG), e Comercial, Nicola Neto; o Gerente de Vendas, André Abrantes, e o Técnico em Métodos e Processos, Luiz Carlos Chaves.

  • Expertise nuclear e capacidade fabril da NUCLEP impressionam representantes da Petrobras, COPPE e DGDNTM.

    A NUCLEP recebeu nesta quinta-feira (05.09), a visita de representantes da Petrobras, COPPE/UFRJ e da Diretoria Geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha (DGDNTM), que, em fase de estudo da viabilidade para a construção de pequenos reatores geradores de energia elétrica, vieram conhecer pessoalmente os projetos nucleares desenvolvidos pela empresa.
     
    Recebido pelo presidente da NUCLEP, C. Alte Carlos Henrique Silva Seixas, e pelos diretores Administrativo, e Industrial, C. Alte. Oscar Moreira Silva Filho, e Comte. Affonso Alves (CMG), o grupo assistiu ao vídeo institucional da NUCLEP, onde entendeu melhor os setores em que a empresa atua e projetos que desenvolve.
     
    Na sequência, o grupo formado pelos profissionais da Petrobras, - a Engenheira de Processamento, Denise Moura; o Administrador, Nilton Esteves; a Gerente de Tecnologias Aplicadas de Libra, Sylvia dos Anjos; o Consultor Técnico, Fabio Passarelli - da DGDNTM, o Consultor Técnico Renato Cotta; e ainda, pela professora Carolina Cotta, da COPPE/UFRJ; conheceu a fábrica, os equipamentos e projetos em desenvolvimento pela NUCLEP.
     
    Impressionada, a gerente de Tecnologias Aplicadas de Libra da Petrobras, Sylvia do Anjos, disse estar otimista com uma possível parceria. “A fábrica é incrível. A NUCLEP produz equipamentos fantásticos. Estamos animados com o potencial da empresa e certamente ela nos ajudará na confecção de equipamentos para a exploração de petróleo no Brasil”, afirmou.
     
    Para o presidente da NUCLEP, há boas perspectivas futuras. “Os representantes da Petrobras ficaram muito impressionados com a nossa expertise nuclear, qualidade e capacidade fabril. Tudo isso aliado ao fato de sermos ligados ao Ministério de Minas e Energia, traz boas perspectivas de consolidação dessa parceria”, explicou o C. Alte. Carlos Henrique Silva Seixas.

  • NUCLEP prestigia ABDAN em dia de inauguração da sua nova sede

    Ao lado de autoridades da Marinha do Brasil, do setor Nuclear, e das esferas federal, estadual e municipal, o presidente da NUCLEP, Contra-Almirante, Carlos Henrique Silva Seixas, prestigiou na tarde desta segunda-feira (2/9), no centro do Rio de Janeiro, a inauguração da nova sede da Associação Brasileira de Desenvolvimento das Atividades Nucleares - ABDAN.
     
    Constituída no Rio de Janeiro em 27 de outubro de 1987, a Associação Brasileira para o Desenvolvimento de Atividades Nucleares é uma entidade sem fins lucrativos, que congrega a maioria das mais importantes empresas de bens de capital, de construção e montagem, do setor de consultoria e engenharia, de operação de usinas e de unidades fabris de sistemas e equipamentos, que participam das atividades nucleares no Brasil, dentre estas, a nossa estratégica e importante, NUCLEP.
     
    Na foto, o presidente da NUCLEP, C.Alte Seixas, com o presidente da ABDAN, Celso Cunha; os Contra-Almirantes, Humberto Moraes Ruivo e Paulo Cesar Demby; o Secretário de Ciência e Tecnologia do Estado, Filippo Scelza, e o Superintendente na SECTI-RJ, Felipe Santos Sampaio.

  • NUCLEP antecipa início da fabricação de uma empilhadeira/recuperadora e estreia com pé direito no mercado da mineração

    Com foco em novos contratos a Nuclebrás Equipamentos Pesados S.A tem trabalhado duro pelo sucesso da sua entrada nos mercados de Energia e Mineração.
     
    Foram iniciados essa semana os preparativos no galpão industrial da empresa que servirá como sede para sua mais nova atividade, a Linha de Produção de Torres de Transmissão de Energia. Segundo a Diretoria Executiva da NUCLEP, a intenção é de que a produção comece já em setembro com o início das atividades previsto para antes do dia 15.
     
    Já a fabricação de uma máquina “Empilhadeira /Recuperadora”, atividade que credencia a NUCLEP no mercado da Mineração, teve sua largada no último dia 27.8 com o primeiro corte de chapa do projeto. O equipamento é responsável pelo despejo e recolhimento de minério em uma pilha de estocagem para embarques em navios.
     
    O primeiro corte de chapa pela NUCLEP foi executado em chapas de 75 milímetros feitas com o método de oxicorte, processo que separa os metais utilizando altas temperaturas e uma reação de oxidação com o oxigênio puro.
     
    Apesar de ser uma empreitada inédita, o gerente de Projetos da Diretoria Industrial, Eduardo Carvalho, não enxerga dificuldades técnicas para o piso fabril.
     
    “Aqui na NUCLEP já construímos equipamentos de altíssima complexidade para os mercados Naval, Óleo e Gás e Nuclear.
    Atendemos ao Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB) da Marinha do Brasil e também construímos os equipamentos nucleares para as Usinas Angra 1, 2 e 3. Somos altamente capacitados para atender essa e qualquer nova demanda”, finalizou.

     

Páginas