Marinha, NUCLEP e ICN discutem programa do submarino brasileiro

O grande norteador da reunião entre a Marinha, a Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP e a Itaguaí Construções Navais (ICN), no parque industrial da NUCLEP, em Itaguaí, foi o desafio de fazer os novos submarinos brasileiros. Com tecnologia francesa, transformará o país em um produtor desse tipo de embarcação, garantindo uma maior autonomia da defesa. A reunião entre o contra-almirante Sydney dos Santos Neves, gerente do empreendimento Modular para a Obtenção dos Submarinos Convencionais, o presidente da NUCLEP, Jaime Cardoso, o diretor presidente da ICN, Pascal Guy Joseph Le Roy, e os diretores industriais da NUCLEP, Liberal Zanelatto, e da ICN, Antonio Costa, entre outros, focou em questões técnicas. As empresas, que são parceiras no empreendimento, estão empreendendo ações visando agilizar o processo de fabricação, de modo a garantir os prazos definidos ainda durante os primeiros entendimentos. - Essas conversas são importantes pela complexidade que é construir uma embarcação como essa, absorvendo novas tecnologias. Através dessa parceria estamos dotando o país de novos equipamentos de qualidade e permitindo que o Brasil entre no seleto grupo de construtores de submarinos com propulsão nuclear, hoje restrito aos países integrantes do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas – frisou Cardoso. O grupo também visitou o parque industrial, acompanhando cada setor de produção do submarino, desde a área de corte das chapas até a montagem das cavernas e a produção das seções. O contra-almirante ficou satisfeito com a qualidade dos trabalhos, reiterando a importância de ser mantido o fluxo de produção para que possamos atingir as metas do cronograma estabelecido de fabricação dos submarinos. DCNS– O diretor geral da Direção de Construções Navais da França (DCNS), Bernard Planchais, também visitou a NUCLEP, acompanhado do contra-almirante e do presidente e diretor da ICN. A proposta era acompanhar o andamento da fabricação dos cascos resistentes do S-BR. O diretor industrial Liberal Zanelatto, representando o presidente Jaime Cardoso, apresentou todas as estações de trabalho da fabricação a cargo da NUCLEP. Planchais pode acompanhar desde a produção das almas, flanges cavernas e chapas de casco até a operação da complexa máquina de solda caverna x casco, onde estava em curso a primeira solda deste tipo para o SBR-1. - Estou muito satisfeito com a minha visita à NUCLEP e pude testemunhar que vocês estão totalmente comprometidos com o nosso projeto, trabalhando como uma equipe – afirmou Planchais ao concluir a visita.