NUCLEP fecha parceria com a gigante tabocas para fabricação de Torres de Transmissão de Energia

Um pouco mais de  três meses do anúncio pelo seu presidente, Contra-Almirante (RM1) Carlos Henrique Silva Seixas, de que a NUCLEP estava preparando seu maquinário e piso fabril para atender a mais um segmento do mercado, atuando também como uma Indústria de Linha de produção de Torres de Transmissão de Energia, a empresa firmou nesta quarta-feira (29/1) a sua primeira e grande parceria.
 
A NUCLEP fechou acordo para a fabricação de torres com a líder e referência no Brasil no segmento de construção de Linhas de Transmissão e Subestações de Energia de Alta Tensão, a Tabocas Participação e Empreendimentos S/A.  A gigante mineira (BH), vem se destacando durante mais de duas décadas como uma das melhores e maiores empresas no setor elétrico brasileiro, com mais de 12.000 km de Linhas de Transmissão construídos e 96 Subestações realizadas por todo o Brasil.
 
“A proposta inicial, com expectativas de ampliação, é para que a NUCLEP forneça à Tabocas as Torres que atenderão ao empreendimento do lote 3 do Leilão 002/2017 da ANEEL, que vai do Xingu, no estado do Pará, à Miracema, no Tocantins”, disse o diretor Comercial da NUCLEP, Nicola Mirto Neto.
 
Para o Diretor-Presidente da Tabocas, Caio Barra, essa será a primeira parceria de muitas entre as duas empresas. “Já consideramos a NUCLEP nossa parceira neste importe e desafiador projeto e em novas demandas na fabricação de Torres de Transmissão de Energia”, celebrou.
 
A Tabocas tem capacidade técnica e operacional para execução  de mais de 2.000 km de Linhas de Transmissão de energia em Alta e Altíssima Tensão de 230 kV à 1100 kV, tendo participado da execução dos maiores e mais desafiadores projetos de Transmissão Energia do país, incluindo a LT 500 kV CD Tucuruí-Manaus, os 2 bipolos de 600 kV HVDC do Rio Madeira e os 2 bipolos de 800kV HVDC de Belo Monte, que até o presente momento foi a Linha de Transmissão de maior tensão e extensão já executada no continente Americano e uma das maiores de todo o mundo.
 
Para o presidente da NUCLEP esse é um segmento que terá uma grande procura nos próximos anos dentro do país, com a construção de pelo menos 55 mil km de linhas até 2027. “
 

“A demanda das Torres de Transmissão de Energia é maior que a capacidade atual da indústria brasileira. Tendo isso em vista, ampliamos e diversificamos nosso escopo de atuação. A NUCLEP, como maior piso fabril da América do Sul e sua expertise profissional diferenciada vai absorver essa demanda, contribuindo para impulsionar o mercado e, em paralelo, caminhará para a sua independência financeira. As torres vão direcionar a empresa à sua perenidade, disse o C.Alte RM1 Carlos Henrique Silva Seixas.