Noticias

  • Participantes do SIEN visitam parque industrial da NUCLEP

    Participantes do VI Seminário Internacional de Energia Nuclear (SIEN) visitaram na última sexta-feira o parque industrial da Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP, em Itaguaí. Para o coordenador do Seminário, Carlos Emiliano, essa possibilidade que grandes empresas oferecem à visitação serve para consolidar o potencial da indústria brasileira nos desafios postos à Nação a cada dia. Recepcionados pelo diretor Industrial, Liberal Zanelatto, que representou o presidente Jaime Cardoso; pelo assessor da Diretoria Industrial, Guilherme Alves; e pelo gerente geral de Engenharia, Carlos Frederico Figueiredo, os integrantes da comitiva conheceram os setores de atuação da NUCLEP e puderam ver equipamentos de grande porte, alguns únicos na América Latina, que compõem o parque industrial. Na visita à fábrica ficaram impressionados com a grandiosidade dos galpões. - É sempre muito importante esse tipo de visita, pois possibilita aos participantes do evento, como o pessoal da empresa chinesa SNPTC, a capacidade de nossas indústrias. E a NUCLEP é ímpar por sua qualidade e representatividade no cenário nacional – frisou Emiliano. Mais que perspectivas de negócios, essas visitas, segundo o diretor industrial, servem para mostrar a joia que o governo brasileiro possui. Criada para atender o setor nuclear, construindo equipamentos de reposição para as usinas em funcionamento e para as novas plantas, a NUCLEP diversificou seu portfólio, levando a qualidade de seu trabalho ainda aos setores de Defesa e Offshore. - A NUCLEP é um exemplo de empresa com alta capacidade de ação, atendendo simultaneamente os diversos setores. Sempre pronta a atender aos desafios da Nação, direciona para a qualificação todos os seus esforços para manter a competitividade no mercado – concluiu Liberal Zanelatto.

  • NUCLEP e Westinghouse assinam Memorando de Entendimento

    A Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP, cumprindo seu planejamento estratégico, assinou nesta semana com a Westinghouse Electric Company um Memorando de Entendimentos para participar na fabricação de equipamentos para o reator de tecnologia AP1000®, caso esta venha a ser a tecnologia adotada para as futuras usinas nucleares brasileiras. A cerimônia, no escritório da NUCLEP, no Centro do Rio, reuniu o presidente Jaime Cardoso e o vice-presidente da Westinghouse, Graham Cable. O memorando, afirmou Jaime Cardoso, mostra o reconhecimento de grandes empresas do setor nuclear mundial à excelência profissional da NUCLEP. - O Brasil possui uma base de fornecedores para a área nuclear, e a NUCLEP tem exercido um papel chave no fornecimento com qualidade de equipamentos e componentes para a área nuclear na América Latina. A NUCLEP já possui uma forte relação com a Westinghouse e esta iniciativa irá reforçar e expandir nossa capacidade fabril de componentes nucleares, disse Cardoso. - A Westinghouse espera trabalhar com a NUCLEP e outros parceiros para reforçar a capacidade técnica e infraestrutura do setor de energia do Brasil -, disse Carlos Leipner, vice-presidente da Westinghouse para a América Latina. No mercado de fabricação de componentes pesados para centrais nucleares, há a necessidade de um adequado planejamento para que se possa atingir o sucesso desejado. O que se espera desta parceria é uma série de ações coordenadas visando a correta adequação de nossa capacidade, qualificação de pessoal e infraestrutura industrial para fazer frente aos desafios desta avançada tecnologia. O apoio da Westinghouse emprestará o reforço necessário para que possamos tomar as ações com a devida antecipação, visando estarmos prontos quando as demandas estabelecidas pelo Governo Federal forem apresentadas.

  • Setor Nuclear discute em seminário as perspectivas do Programa Brasileiro

    Um momento de reflexão sobre os caminhos e as perspectivas do Programa Nuclear Brasileiro. Esse é o foco do VI Seminário Internacional de Energia Nuclear (SIEN), que começou nesta quarta-feira (17/06) no prédio da Bolsa de Valores, no Centro do Rio. Para o setor nuclear, ainda faltam alguns passos importantes, como o marco regulatório, mas, antes, as empresas da cadeia precisam saber o que o futuro as reserva. O presidente da Comissão Nacional de Energia Nuclear, Ângelo Padilha, lembrou que o Brasil hoje é doador de tecnologias, tem um programa enxuto, pacífico e bem estruturado. Para ele, é essencial que as empresas que fazem parte do processo tenham consciência de seu papel nos próximos anos, tanto a Nuclebrás Equipamentos Pesados S.A - NUCLEP, criada para fabricar os componentes das usinas, quanto as Indústrias Nucleares do Brasil (INB), responsável pela extração e enriquecimento do urânio. - Hoje temos cerca de oito mil pessoas trabalhando na área nuclear, que está estruturada em três vertentes: o setor de geração de energia, com a Eletronuclear; o de desenvolvimento de um submarino a propulsão nuclear, por conta da Marinha; e a área de pesquisa de aplicações, desenvolvimento e manutenção da tecnologia, com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) - explicou. Para o presidente da INB, Aquilino Senra, que representou o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aldo Rebelo, há uma preocupação do governo de estruturar bem o setor. Para ele, o marco regulatório é essencial e dará um novo gás às empresas que focam seu trabalho nessa área. Para o gerente geral de Engenharia da NUCLEP, Carlos Frederico Figueiredo, é importante se discutir o futuro e as implicações do que deve ser feito. Ele lembrou, por exemplo, que dos 102 funcionários que participaram do primeiro treinamento para a construção dos grandes equipamentos para as plantas nucleares, na Alemanha, apenas três continuam trabalhando. No setor de Engenharia ainda há uma tentativa de se transferir tecnologia, mas muito se perdeu no chão de fábrica. - Muito me preocupa essa falta de posicionamento sobre o Programa Nuclear Brasileiro, pois estamos perdendo os profissionais que participaram daquele primeiro momento e precisamos começar logo a capacitação dos novos profissionais, para que eles possam atender às demandas dos novos projetos - ressaltou Carlos Frederico. O diretor Comercial, Marcos van der Putt, que representou o presidente da NUCLEP, Jaime Cardoso, compartilha da preocupação do gerente geral de contratos e acredita que é importante que o governo entenda que a empresa foi criada para atender ao Programa Nuclear e precisa estar atenta a todas as tecnologias que serão utilizadas nas futuras usinas, para poder estar preparada para cumprir o seu papel na cadeia. O VI SIEN terá debates sobre todas as áreas envolvidas no desenvolvimento do Programa Nuclear Brasileiro. Nesta quinta-feira (18) a NUCLEP participa de uma mesa de debates sobre a possível participação do setor privado no desafio nuclear. Na sexta-feira (19) executivos de diversas empresas participantes do evento, como Rosatom, da Rússia, e SNPTC, da China, estarão visitando o parque industrial da NUCLEP, em Itaguaí. A estatal é apontada por grandes empresas, como a Westinghouse, como a parceira ideal para grandes projetos no Brasil.

  • Nota sobre Incêndio em subestação de energia

    Por volta das 19h20 deste sábado (25/04) houve uma avaria na subestação principal da Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A - NUCLEP, acompanhada de um incêndio de média proporção em um transformador de alta tensão. Após a interrupção do fornecimento de energia pela Light, o incêndio foi debelado pela Brigada de Incêndio da NUCLEP, com o auxílio da Brigada da Itaguaí Cosntruções Navais (ICN) e do Porto de Itaguaí, utilizando CO2 e pó químico. Com a extinção do incêndio, a Brigada da NUCLEP contou com o auxílio do Corpo de Bombeiros de Itaguaí para resfriar o transformador. Não houve nenhuma vítima, ou qualquer tipo de dano aos projetos em andamento na NUCLEP, uma vez que a subestação fica distante dos galpões onde ocorrem as atividades fabris.Tão logo as condiçõs permitiram, uma equipe de especialistas da NUCLEP iniciou o trabalho de identificação da causa da avaria no transformador e, após uma inspeção detalhada no local, constatou-se que um "gambá" gerou um curto crcuito entre duas fases do transformador, ocasionando o incêndio.A NUCLEP ressalta que além de não ter havido vítimas, apenas dano material ao transformador, todas as providências estão sendo tomadas por nossa equipe técnica visando o retorno à normalidade das nossas atividades fabris.

  • Projetos de grande porte da NUCLEP são apresentados ao ministro Aldo Rebelo

     O presidente da Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A (Nuclep), Jaime Cardoso, reuniu-se com o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aldo Rebelo, nesta terça-feira (14), em Brasília, para falar sobre os projetos que a empresa está desenvolvendo no País. Cardoso também fez um convite ao titular da pasta para visitar as instalações da Nuclep no município de Itaguaí, Rio de Janeiro."Eu vim apresentar ao ministro os objetivos, valores e a missão da Nuclep, como empresa estratégica de defesa nacional", afirmou o presidente. "A Nuclep é a única empresa da América Latina que possui selo de qualidade para fabricar equipamentos nucleares, e também a única que já fabricou cascos de plataforma para a Petrobrás e equipamentos complexos para usinas nucleares", disse.Ao citar os projetos desenvolvidos pela empresa vinculada ao MCTI, Cardoso destacou a construção dos cascos das cinco unidades do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub) do governo federal, dos quais um será destinado ao primeiro submarino com propulsão nuclear nacional.Em março, a Nuclep entregou a Itaguaí Construções Navais (ICN), na Unidade de Fabricação de Estruturas Metálicas (Ufem), mais duas seções do primeiro submarino brasileiro (SBR-1) em parceria com a França. Os equipamentos se juntarão às partes do casco já entregues no início do ano, garantindo assim o cronograma de construção das embarcações."A Nuclep já está com percentual bem avançado e está prestes a entregar todo o seu escopo em relação ao primeiro submarino; além disso, estamos avançados na construção dos outros submarinos. É uma tarefa de alta qualificação, que está sendo acompanhada pelo estaleiro francês responsável pela tecnologia, e a Nuclep têm sido aprovada em todos os quesitos", afirmou. Fonte: MCTI

  • NUCLEP participa de reunião sobre divulgação de ações do governo

    O presidente da Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP, Jaime Cardoso, e a gerente geral de Relações Institucionais e Comunicação, Marília Baracat, se reuniram na tarde desta segunda-feira (13/04) com o novo ministro da Secretaria de Comunicação da Presidência da República, Edinho Silva, em Brasília. Os dois, que já tinham participado da posse do ministro, foram chamados a um fórum para discutir a divulgação das ações do governo federal. - Estamos aqui para reafirmar a nossa confiança no país e reiterar a posição da NUCLEP à frente de projetos estratégicos para o Brasil. Temos certeza de que a comunicação das nossas conquistas, em todos os campos, é sempre a melhor ferramenta de promoção de nosso país e de nossos trabalhadores. Nosso compromisso será sempre buscar a construção de uma Nação melhor a cada dia – frisou Jaime Cardoso.

  • NUCLEP entrega mais duas seções do SBR-1

    A Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP entregou à Itaguaí Construções Navais (ICN), na Unidade de Fabricação de Estruturas Metálicas (UFEM), na última terça-feira (07/03), mais duas seções do primeiro submarino brasileiro (SBR-1) em parceria com a França. Os equipamentos se juntarão às partes do casco já entregues no início do ano, garantindo assim o cronograma de construção das embarcações.Para o diretor industrial, Liberal Zanelatto, a obra, que permite ao Brasil entrar num seleto grupo de países com tecnologia para a construção de submarinos, incluindo embarcações a propulsão nuclear, é de extrema importância para a área de defesa. Com a tecnologia absorvida durante esse processo, o país poderá desenvolver novos projetos no futuro, dependendo de suas necessidades.- Um país continental como o Brasil precisa de embarcações de qualidade para proteger a sua costa. Estará a cargo desses submarinos que estamos participando da construção esse trabalho. Para a NUCLEP é um orgulho estar presente em um projeto estrategicamente tão importante para a Nação – frisou Liberal.O Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB) é uma parceria do governo brasileiro com a França para a construção de quatro submarinos convencionais e um a propulsão nuclear, da classe Scorpéne. Os três primeiros convencionais já estão em construção, sendo que a primeira chapa do SBR-3 foi cortada pela NUCLEP em janeiro último.

  • News in the maritime terminal of NUCLEP

    Nuclebrás Heavy Equipment S / A - NUCLEP received this month (March) the license of the National Agency for Waterway Transportation (Antaq) for equipment shipment. The document authorizes the flow modules for the production and storage units (FPSO) City of Marica and Saquarema City, as well as a set of turbo generators for the Port of Itaguai, intended to platforms Petrobras P-70 and P-71; capacitors for nuclear plant Angra III; and materials and resistant submarine hulls.The Steering Committee of the Port of NUCLEP Terminal, composed of the chief of staff of the Presidency, Isabela Bragança, committee coordinator; the General Manager of Contracts, Evandro Monteiro; the Advocate Patrizia Mastrangelo; the General Manager of Infrastructure and Services, Ricardo Noronha; and the manager of Environment, Viviane Montebello, still celebrates the achievement of Environmental Terminal Operating License, last February, valid until 2019. This is to certify that all processes performed by NUCLEP are within the environmental safety standards .According to the coordinator of the Committee, Isabela Bragança, this result comes from the integration of the areas of the company, especially areas and Legal Environment. The team has been working tirelessly in the terminal regularization process to be held for the first time since its construction in 1983.Among the advances highlighted by the Environment Manager, Viviane Montebello, said the restoration of the terminal fire network and the license from the Fire Department, in addition to the hiring company for emergency assistance from leaks of oil at sea. The management is already working on identifying the next steps to ensure engagement with the surrounding community.Already the General Manager Contracts, Evandro Monteiro, highlighted the importance of normative approved with rules and procedures necessary for cargo handling activities in port facilities of the company in accordance with the safety standards required by the entities involved in the operation, in particular concerning competences afetas the Navy of Brazil, Fire Department and Environmental Bodies.- The regularization of the terminal is the first step of many proposed changes to the terminal, central to the business of NUCLEP - concluded the president Jaime Cardoso.

  • Novidades no terminal portuário da NUCLEP

    A Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP recebeu neste mês de março a licença da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) para embarque de equipamentos. O documento autoriza o escoamento de módulos para as unidades de produção e armazenamento (FPSO, na sigla em inglês) Cidade de Maricá e Cidade de Saquarema, bem como conjunto de turbo geradores para o Porto de Itaguaí, destinados às plataformas da Petrobras P-70 e P-71; condensadores para a usina nuclear de Angra III; e materiais e cascos resistentes de submarino. O Comitê Gestor do Terminal Portuário da NUCLEP, composto pela chefe de gabinete da Presidência, Isabela Bragança, coordenadora do comitê; o gerente geral de Contratos, Evandro Monteiro; pela advogada Patrízia Mastrangelo; pelo gerente geral de Infraestrutura e Serviços, Ricardo Noronha; e pela gerente de Meio Ambiente, Viviane Montebello, comemora ainda a obtenção da Licença Ambiental de Operação do Terminal, em fevereiro último, com validade até 2019. Essa é a certificação de que todos os processos realizados pela NUCLEP estão dentro dos padrões de segurança ambiental. Segundo a coordenadora do Comitê, Isabela Bragança, esse resultado é proveniente da integração das áreas da empresa, em especial das áreas Jurídica e de Meio Ambiente. A equipe vem trabalhando incansavelmente no processo de regularização do terminal, que acontecerá pela primeira vez desde a sua construção, em 1983. Entre os avanços apontados pela gerente de Meio Ambiente, Viviane Montebello, destacou o restabelecimento da rede de incêndio do terminal e a licença do Corpo de Bombeiros, além da contratação de empresa para atendimento a emergência contra vazamento de óleo no mar. A gerência já está trabalhando na identificação dos próximos passos para garantir o envolvimento com a comunidade do entorno. Já o Gerente-Geral de Contratos, Evandro Monteiro, destacou a importância do normativo aprovado com regras e procedimentos necessários às atividades de movimentação de cargas nas instalações portuárias da empresa, em conformidade com os padrões de segurança exigidos pelos entes intervenientes na operação, em especial no tocante às competências afetas à Marinha do Brasil, Corpo de Bombeiros e Órgão de Meio Ambiente. - A regularização do terminal é o primeiro passo de muitas mudanças propostas para o terminal, fundamental para os negócios da NUCLEP – concluiu o presidente Jaime Cardoso.

  • NUCLEP organiza em Brasília o Fórum de Assessoria Parlamentar do CTIE

    A Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A – NUCLEP organizou, na última quinta-feira (12/03), em parceria com as Indústrias Nucleares do Brasil (INB), na sede da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Nível Superior (Capes), em Brasília, o Fórum de Assessoria Parlamentar de Ciência, Tecnologia, Inovação e Educação – CTIE. Formado por 37 empresas e instituições dos ministérios de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e da Educação, o espaço tem por objetivo discutir assuntos que afetem essas áreas. O tema da última reunião foi a Emenda Constitucional 85/2015, que altera e adiciona dispositivos na Constituição para atualizar o tratamento das atividades de Ciência, Tecnologia e Inovação. O consultor Legislativo da Câmara dos Deputados, Bernardo Estellita Lins, falou sobre o assunto, assim como discutiu-se o Código da Ciência e Tecnologia (projeto de Lei 2177). - Esse fórum, que acontece mensalmente, é uma ferramenta importante para atualizar aos órgãos envolvidos com Ciência, Tecnologia, Inovação e Educação sobre assuntos que estão ou vão entrar na pauta do Congresso. A integração dos órgãos também ajuda a garantir que tenhamos sempre uma legislação que atenda às necessidades do segmento – concluiu André Fernandes, da NUCLEP.

Páginas