Noticias

  • NUCLEP realiza o Plano Estratégico 2016

    O encontro para o Seminário do Planejamento Estratégico da NUCLEP - 2016, ocorrido de 25 a 28 de setembro, contou com a participação de diversos setores da empresa representados pelos Gerentes Gerais e suas Diretorias. Foram quatro dias de extensas apresentações e discussões com o objetivo de buscar eixos estratégicos para cada área presente. O Presidente Jaime Cardoso abriu o encontro destacando a importância do trabalho a ser realizado seguido pelo Gerente de PH, Alan Albuquerque, que discorreu sobre o método do Planejamento Estratégico. No segundo dia, as Diretorias do Comercial, Industrial e Administrativo  apresentaram seus planos e metas. Em seguida, foi realizada a análise do ambiente externo: ameaças e oportunidades, a análise do ambiente interno: pontos fortes e pontos fracos, a identificação dos fatos portadores de futuro e a identificação de futuros preliminares. No terceiro dia, os trabalhos focaram no estabelecimento dos eventos futuros definitivos, na identificação do cenário mais provável, na definição do cenário escolhido e na validação dos objetivos e óbices. No quarto e último dia, foram identificadas as ações estratégicas, finalizando os debates.

     

  • NUCLEP participa da reunião da ABIMDE

    O Presidente Jaime Cardoso participou no dia 13 de setembro da Reunião do Conselho Diretor, Fiscal e Consultivo da ABIMDE no Centro Cultural da Marinha em São Paulo como palestrante e discorreu sobre o seguinte tema: “A Interação da BID com a NUCLEP”. Cardoso apresentou a empresa e suas  principais características, principalmente os equipamentos existentes, sua força laboral e a possibilidade de interação com as demais empresas associadas e colocou a NUCLEP a disposição para visitas e oportunidades de parcerias. A abertura do evento contou com o Presidente da ABIMDE que deu boas vindas a todos e também ao Almirante-de-Esquadra BENTO, Secretário de Ciências, Tecnologia e Inovação da Marinha que se fazia acompanhar dos Almirantes atuais diretores dos diversos Institutos de Pesquisa e Centro de Análise de Sistemas Navais.

  • Presidente Jaime Cardoso participa do SIEN

    Presidente da NUCLEP – Nuclebrás Equipamentos Pesados S.A, Jaime Cardoso, participou no dia 20 de setembro da mesa de abertura do Seminário Internacional de Energia Nuclear (SIEN), referência na discussão sobre o desenvolvimento do Setor Nuclear no Brasil e no mundo. Em sua sétima edição, reúne empresas brasileiras e internacionais, autoridades do governo, agências internacionais, técnicos e gestores da cadeia industrial do setor, universidades, institutos de pesquisa, associações técnicas, profissionais e empresariais, além de outros segmentos.

    Cardoso, ressaltou a importância da NUCLEP em projetos estratégicos na Área Nuclear, Petróleo e Gás e Defesa. Enfatizou também o caráter pioneiro da empresa em trazer para o país projetos nunca antes realizados, como os geradores de vapor de substituição para a usina nuclear Angra 1, três condensadores para usina nuclear de Angra 2, a construção de sistema de propulsão para o primeiro submarino nuclear brasileiro e a fabricação  dos cascos das plataformas da Petrobrás, P51 e P56. Além disso, enfatizou a importância do financiamento de novas usinas nucleares, a participação do capital privado e da urgente necessidade de uma política de estado para a área como também o desenvolvimento de um programa nuclear brasileiro para que o setor possa se desenvolver. 

    A edição 2016 do SIEN traz como tema central a discussão sobre “Um Novo Modelo de Financiamento para o Negócio Nuclear no Brasil”. Serão dois dias de debates reunindo cerca de 350 pessoas, entre participantes e mais de 30 palestrantes e debatedores, entre especialistas, profissionais e autoridades.

  • NUCLEP participa da Brazil Windpower 2016

    Entre os dias 30 de agosto e 1 de setembro, no Centro de Convenções SulAmérica, a NUCLEP, Nuclebrás Equipamentos Pesados S.A, participou do Brazil Windpower 2016 – Conferência & Exposição, que se configura como o maior evento de energia eólica da América Latina e traz as melhores oportunidades de network e negócios que envolvem este mercado, trazendo as principais autoridades especializadas para debater o crescimento deste setor durante o congresso e os principais players para a feira de negócios. O contato e aproximação com essas companhias é importante para dar visibilidade às atividades que a NUCLEP desenvolve, principalmente, por serem em potencial possíveis parceiras ou clientes o que torna a sua participação no evento estratégica. Participaram da Feira o Diretor Comercial, Celso Cunha, o Gerente Geral de Negócios e Inteligência Competitiva, Eduardo Telles e o Gerente de Inteligência Competitiva, Fernando Gutman, entre outros profissionais da empresa.

     

  • NUCLEP entrega componentes de Angra 3

    A NUCLEP entregou, entre os dias 08 a 10 de agosto, parte dos componentes do segundo condensador (MAG-20) da Usina de Angra 3, sendo um coletor de condensado, duas tampas frontal e traseira e as chapas de apoio das molas. As peças foram enviadas para Angra do Reis, onde deverão ser montadas de acordo com o cronograma do empreendimento.

    Os dois semi-condensadores (caixas A e B) do MAG-20, também, estão prontos e encontram-se armazenadas na NUCLEP, disponíveis para a entrega em Angra dos Reis. Para garantir a preservação do material, os mesmos foram embalados e foram instalados desumidificadores.

     A NUCLEP está encarregada de fabricar os três condensadores de Angra 3, equipamentos essenciais para funcionamento da Usina. Cada condensador é composto por dois semi-condensadores (caixas A e B), duas tampas frontais e traseiras, um coletor de condensado, uma câmara superior, dentre outros materiais de montagem. A previsão de entrega dos últimos componentes e a conclusão do contrato é para julho de 2017. 

    A NUCLEP é a primeira empresa no Brasil a fabricar condensadores para usinas nucleares. O primeiro foi fabricado para a Usina de Angra 2, em funcionamento desde 2001. Os semi-condensadores têm um processo de soldagem sofisticado, recebendo cada um, aproximadamente, 17 mil tubos de titânio, que efetua a refrigeração do sistema secundário da usina, através da troca térmica com a água do mar.

    Além dos condensadores, também estão em produção oito Acumuladores e os Suportes Especiais e já foram entregues os Embutidos Especiais e o Pressurizador. Todos, equipamentos fundamentais para a construção e funcionamento da Usina.

  • NUCLEP entrega a quarta seção do SBR-2

    A NUCLEP entregou dia 15 de julho, a S1 do SBR-2 à Itaguaí Construções Navais (ICN).  Esta é a quarta seção de um total de cinco que compõem o casco resistente do submarino.  

    A S1 apresenta características especificas e se diferencia dos componentes entregues anteriormente. Esta é a seção da popa do submarino, ou seja, é a que compõem a parte mais a ré da estrutura do SBR-2. Nela passará o eixo propulsor onde será montado o hélice.

    A cerimônia para entrega da seção aconteceu na Fábrica da NUCLEP e reuniu funcionários da empresa e da ICN. O Diretor industrial Liberal Zanelatto esteve presente no evento e ressaltou a importância do trabalho realizado na NUCLEP para o país.

    — Esse projeto é muito importante para o estado brasileiro. Eu agradeço o trabalho desenvolvido por todos que fazem parte dessa equipe. É o trabalho de cada um que faz com que os resultados apareçam. Este é um trabalho realizado em poucos lugares do mundo e nós conseguimos fazer com qualidade. — Declarou ele.

     

    O almirante Francisco Araújo esteve presente no evento. Ele é representante da Coordenadoria-Geral do Programa de Desenvolvimento de Submarino com Propulsão Nuclear (Cogens) da Marinha. A diretoria da ICN também participou da cerimônia. Durante o evento, o Diretor Industrial da NUCLEP destacou a importância do trabalho em conjunto, entre NUCLEP e ICN, para a construção dos resultados.  

    — O evento de hoje serve para consolidar um trabalho de equipe iniciado em 2011 com muitas dificuldades e incertezas, enquanto buscávamos nos adaptar ao processo de produção francês. Desafios começaram a ser vencidos quando NUCLEP e ICN uniram e complementaram de esforços. A força do projeto e as entregas contínuas são fruto dessa união. — Pontuou Liberal Zanelatto.

    As seções do SBR-2 estão sendo entregues desde o início de 2016. A previsão é que a S2A, seção que completa o casco resistente do segundo submarino, seja entregue em novembro, deste ano. Este será o primeiro submarino com tecnologia francesa, integralmente, produzido no Brasil, visto que, o SBR-1 teve partes produzidas na França.

    Este submarino é do mesmo modelo do primeiro: classe Scorpene customizado para o Brasil e integra o Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub), que prevê ainda a construção de mais dois submarinos convencionais diesel-elétrico e, também, o futuro submarino brasileiro de propulsão nuclear.

  • NUCLEP participa da WNE 2016

    Entre dos dias 28 e 30 de junho, a NUCLEP participou da Exposição Mundial Nuclear 2016 (WNE), maior evento internacional no setor nuclear realizado na Europa. A Feira foi realizada na França e reuniu grandes nomes da indústria nuclear de diversos países. Além dos painéis de discussão, o espaço é umaoportunidade para desenvolver relações entre as empresas, construir parcerias, compartilhar ideias, estabelecer novos contatos e analisar o mercado para vislumbrar oportunidades futuras.

     

    Estes eram os objetivos dos representantes da NUCLEP na WNE: o Presidente Jaime Cardoso, o Diretor Comercial Celso Cunha, a Diretora Administrativa Interina Isabela Bragança e o Assessor da Diretoria Executiva Ricardo Corrêa.

    O grupo fez contato com grandes empresas internacionais, como a Areva (França); Rosatom (Rússia); Westinghouse (EUA); ENSA (Espanha); CNNC (China); MAN Diesel & Turbo (Alemanha); CNEA e Admira (Argentina). O contato e aproximação com essas companhias é importante para dar visibilidade as atividades que a NUCLEP desenvolve. Principalmente, elas são, em potencial, possíveis parceiras ou clientes, o que torna a participação da NUCLEP no evento estratégica.

     

    Esta foi a segunda edição da Exposição Mundial Nuclear e reuniu 700 expositores. Durante o evento foram abordadas questões, como a operação de longo prazo das plantas, novos projetos, tecnologias futuras e o ciclo do combustível nuclear.  

  • NUCLEP participa da Feira da SPBC

    A NUCLEP participou, entre os dias 03 a 09 de julho, da 68ª Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em Porto Seguro. O tema do evento é Sustentabilidade, Tecnologias e Integração Social, com divulgação do projeto Coleta Seletiva Solidária: Economia Solidária como realidade na Indústria Brasileira em stand e palestra.

    Passaram pelo stand da NUCLEP o Ministro da Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab, o presidente das Indústrias Nucleares do Brasil (INB), João Carlos Derzi Tupinambá, além de diversos profissionais e alunos da rede pública e privada, inclusive das escolas indígenas da região.

    A coleta seletiva solidária da NUCLEP foi implantada em junho de 2011 com o objetivo de promover inclusão social, o manejo adequado dos resíduos gerados na empresa e educação ambiental para todos os seus colaboradores. Desde então, os resíduos recicláveis (sucatas metálicas ferrosas e não ferrosas, papel, papelão, plástico, vidro, pneus e sucata eletrônica) passaram a ser doados às cooperativas sem fins lucrativos por meio de Termos de Doação firmados no processo de Chamamento Público com sorteio público. Para implantação da coleta seletiva, foi desenvolvido um Modelo de Gestão dos Resíduos Sólidos Recicláveis (MGRSR), que poderá auxiliar outras instituições no cumprimento deste requisito legal.

    No cenário da Economia Solidária, a Coleta Seletiva surge como alternativa para a geração de trabalho e renda a favor da inclusão social. Os principais atores desse processo são pessoas marginalizadas pelo sistema capitalista: os catadores autônomos. O incentivo à coleta seletiva e a formalização de acordos com as cooperativas, permite que os catadores trabalhem de maneira formal, organizados e em condições melhores de trabalho, com resgate da sua cidadania. Desde 2011, já foram doadas 1560,40 toneladas de resíduos recicláveis e ao todo 443 cooperados – e suas famílias – foram beneficiados pelo programa. Isso significa mais de R$300 mil reais revertidos para as Cooperativas com a venda desses recicláveis doados.

  • A NUCLEP entrega a terceira parte do SBR-2

    A NUCLEP entregou ontem, dia 23 de junho, a S2B, terceira seção do SBR-2 à Itaguaí Construções Navais (ICN).

    Funcionários da NUCLEP e da ICN se reuniram no Galpão Principal para participar da solenidade de entrega da seção. Esta é a terceira parte do SBR-2 entregue. Em fevereiro foi entregue a S4 e em abril a S3. A previsão é que todo o casco resistente seja concluído e entregue até o final deste ano.

    Estiveram presentes na cerimônia, o Presidente da NUCLEP Jaime Cardoso, os Diretores, Comercial, Celso Cunha; Industrial, Liberal Zanellato; e Administrativa em exercício, Isabella Bragança. Também participaram o Presidente da ICN, Pascal Le Roy e os Diretores, Administrativo, Carlos Alberto de Oliveira; Industrial, Carlos Adolpho Friedheim; e Operacional Cleber Siqueira.

    Durante a solenidade, Jaime Cardoso destacou a importância das obras realizadas pela NUCLEP para o desenvolvimento local e estratégico do país.

    — A riqueza que está sendo criada aqui tem um valor inestimável para o país. Ela está em Itaguaí, está no estado do Rio de Janeiro, mas é, antes de tudo, o resultado do esforço que a gente faz e que contribui para o desenvolvimento do município, do estado e do país. É um fábrica estratégica para o povo brasileiro. Esse submarino vai ser fundamental para a defesa nacional. — afirmou Jaime Cardoso.

    O SBR-2 é o primeiro submarino com tecnologia francesa, integralmente, produzido no Brasil, visto que, o SBR-1 foi teve partes produzidas na França.

    Este submarino é do mesmo modelo do primeiro: classe Scorpene customizado para o Brasil e integra o Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub), que prevê ainda a construção de mais dois submarinos convencionais diesel-elétrico e, também, o futuro submarino brasileiro de propulsão nuclear.

Páginas