Noticias

  • Na Argentina, Presidente Seixas busca parcerias na área nuclear

    - por Thais Martins

    Em viagem à Argentina acompanhando uma missão institucional do Governo Federal, o presidente da Nuclep, Almirante Carlos Henrique Silva Seixas, visitou ontem, dia 8 de março, as instalações da INVAP, estatal responsável pelo desenvolvimento do projeto para a construção do Reator Multipropósito Brasileiro (RMB).

    “Em reunião, com Gustavo Cassini, subgerente da área nuclear da INVAP, apresentei a minha intenção de trazer para a Nuclep o contrato de construção do empreendimento, o que foi muito bem recebido pela instituição”, afirmou.

    Segundo o presidente, ficou acertado que em quinze dias a Nuclep apresentará a sua proposta para firmar um memorando de entendimentos, que estabeleça uma parceria com a empresa argentina para a construção do nosso RMB, e também de outros projetos similares em todo o mundo.

    A INVAP atua em diversos países como Argélia, Austrália, Egito e Holanda, e o objetivo é que a Nuclep possa contribuir com a empresa em outros projetos na área nuclear.

    Na foto, o presidente Seixas em visita às instalações de construção do R010, reator argentino semelhante ao nosso RMB.

  • Nuclep enaltece Dia Internacional da Mulher com manhã especial para colaboradoras

    O dia 8 de março começou de uma maneira diferente para as profissionais da Nuclep. Um café da manhã especial recepcionou a chegada das homenageadas na sessão de cinema para o dia da mulher. O diretor industrial, Rogério Corrêa Borges, fez a abertura do evento e expressou suas considerações sobre a data comemorada internacionalmente.

     “Além de ser um dia de comemoração também deve ser um momento de reflexão. Embora as mulheres tenham alcançado muitas conquistas sociais, acredito que ainda há um longo caminho a ser percorrido”, comentou dando destaque às questões trabalhistas e diferenças salariais ainda existentes entre homens e mulheres no país.

      Mais de 100 funcionárias compareceram ao auditório e compartilharam o momento com o filme nacional “Divã”. A história de todas as questões sentimentais e psicológicas da personagem “Mercedes” interpretada pela atriz Lília Cabral contagiou e emocionou as mulheres presentes, que saíram com ar renovado para mais um dia de trabalho na Nuclep.  

  • Nuclep conquista o certificado de conformidade ISO Classe 8 para a Sala Limpa

    - por Olivia Kerhsbaumer

    A Sala Limpa da Nuclep foi catalogada como Classe 8 – Grau D, segundo a norma ISO 14644-1:2015. A classificação diferencia as salas limpas através das normas em função da pureza de seu ar interior, ou seja, da concentração de partículas por unidade de volume de ar.

    Na Nuclep, a Sala Limpa possui uma quantidade de partículas em suspensão no ar de 4.662 partículas/ m³, valor abaixo ao do máximo admissível de 3.520.000 partículas/ m³. Isso significa que a área está segura de contaminações para as atividades de soldagem e montagem a serem realizadas em seu interior.

    A Sala Limpa é uma exigência para a construção de componentes nucleares e para a fabricação dos equipamentos do Laboratório de Geração Nuclear (LABGENE), contratados à Nuclep pelo Centro Tecnológico da Marinha São Paulo (CTMSP). Também é uma condição para a produção de componentes destinados às usinas nucleares, constituídos por ligas de aços inoxidáveis austeníticos, ligas à base de Níquel e ligas de Titânio, ainda mais resistentes à corrosão.

    Conforme informações da empresa certificadora, além da sala limpa da Nuclep, só existem mais três Salas Limpas no mundo com essa capacidade para industrializar equipamentos de grande porte e alta tonelagem.

  • NUCLEP marca presença na Cerimônia de Integração dos Submarinos Classe Riachuelo

    - por Thais Martins O presidente da NUCLEP, Carlos Henrique Silva Seixas, e sua diretoria, participaram na manhã desta terça-feira, 20 de fevereiro, da Cerimônia de Início da Integração dos Submarinos Classe Riachuelo, no complexo naval de Itaguaí, a convite do Comandante Geral da Marinha, Almirante de Esquadra, Eduardo Bacellar Ferreira. A solenidade que contou com a presença do presidente da Republica, Michel Temer, do governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, e outras autoridades, celebrou o lançamento da fase final de montagem do Riachuelo, submarino de tecnologia francesa, para o qual a NUCLEP construiu os ‘cascos resistentes’. Parte do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub) da Marinha, o "Riachuelo" é o primeiro dos quatro submarinos convencionais que estão sendo construídos no Estaleiro e Base Naval (EBN) de Itaguaí e que deve ser lançado ao mar no final deste ano. Além dos quatro submarinos, o programa, num acordo com a França, prevê ainda a construção do primeiro submarino brasileiro com propulsão nuclear, resultando em uma nova dimensão ao poder naval do país. Fotos: Beto Barata/PR

  • Nuclep esclarece

    A Nuclep é uma empresa estatal de economia mista e, portanto, só está autorizada a preencher seu quadro funcional mediante concurso público. Não há, no momento, previsão para realização de um novo concurso já que não há vagas disponíveis. Portanto, qualquer divulgação de abertura de vagas na Nuclep não é verdadeira e sujeita o autor às penas da lei.

     

  • Corrente do bem: Nuclep entra para o Plano de Auxílio Mútuo da Costa Verde

    *por Caíque Pereira

    A Nuclep se associou ao Plano de Auxílio Mútuo (PAM) da Costa Verde no dia 9 de janeiro desse ano. O PAM é um sistema de operações conjuntas que une empresas e instituições de uma região, sujeitas a acidentes graves como incêndios e vazamentos de óleo, para que compartilhem apoio físico e humano em casos de emergências, sem custo algum.

    Outras situações em que esse reforço pode ser acionado são os acidentes ou poluições ambientais, condições climáticas que afetem a segurança das atividades no terminal marítimo, queda de indivíduos ao mar e socorro a acidentados. O assistente do Apoio em Segurança Patrimonial, Gilmar Pimenta, é o representante titular da Nuclep no projeto, enquanto o supervisor de Segurança Patrimonial, Paulo Sergio Firmo, atua como suplente.

    Uma das principais campanhas do plano é o Educapam, projeto anual que busca educar e prevenir acidentes de trânsito aos motoristas das estradas na Costa Verde. Com frequência, o Educapam ocorre em postos rodoviários e, em 2018, há previsão para que também aconteça no terminal rodoviário da Nuclep.

  • Parceiro de longa data, grupo industrial alemão visita Nuclep

    *por Caíque Pereira

    A Nuclep recebeu na terça-feira (30/01) a visita de representantes da empresa alemã ThyssenKrupp Marine Systems: Manfred Henning, vice-presidente sênior; Joachim Schonfeld, vice-presidente sênior de Vendas; Christoph Schlumbom, vice-presidente sênior de Vendas; Bjorn Weidemann, vice-presidente da Consultoria de Estaleiros; Sebastian Carl Schulte, diretor financeiro e membro do Conselho Executivo e Fernando Nogueira, chefe de desenvolvimento comercial da sede na América do Sul. Os visitantes procuram parceiros estratégicos para participar de licitações no país.

    Além deles, membros da LOGSUB Soluções Logísticas marcaram presença: o Contra-Almirante (RM1) Adalberto Casaes, diretor de Relações Institucionais; o Capitão de Mar e Guerra (RM1) Armando Repinaldo, diretor presidente e o Capitão de Mar e Guerra (RM1-EN) Fernando da Cruz Magalhães, diretor técnico.

    O grupo foi recepcionado pelo presidente da Nuclep, Carlos Henrique Silva Seixas; o diretor industrial, Rogério Corrêa Borges; o diretor administrativo, Luzenildes Sant'Ana de Almeida; o gerente geral de Negócios e Inteligência Competitiva, Ricardo Antunes Corrêa, representando a Diretoria Comercial, e demais membros da empresa.

    Em reunião, Borges ressaltou as certificações da Nuclep, que comprovam sua excelência e qualidade. Após o encontro, os visitantes seguiram para o Galpão Principal e percorreram a fábrica para conhecer sua capacidade produtiva.

    A equipe elogiou o parque industrial da Nuclep, colaboradora em potencial para negócios futuros com a empresa. Um dos possíveis cenários dessa parceria é a licitação coordenada pela Marinha em 2018/2019, que prevê a fabricação de quatro novos navios.

     

    Parceria antiga

    A relação da ThyssenKrupp com o Brasil começou em 1837, reforçada até hoje por uma grande troca de conhecimento, tornando-o o país mais importante para o grupo na América Latina. Em 1986, a Nuclep construiu cascos resistentes para submarinos convencionais com tecnologia alemã da ThyssenKrupp, a pedido da Marinha do Brasil. No contexto do Programa Nuclear Brasileiro, a infraestrutura da fábrica, as máquinas e as práticas também vieram da Alemanha.

    Resultado da fusão de duas companhias alemãs em 1999, a ThyssenKrupp é um grupo industrial diversificado de alta tecnologia, ativa em 79 países e uma das maiores produtoras de aço no mundo. A multinacional trabalha nos ramos automotivo, energético, minerador, químico, siderúrgico, de defesa, entre outros segmentos presentes em suas subsidiárias. Entre elas está a ThyssenKrupp Marine Systems, fabricante de corvetas, fragatas e submarinos para Alemanha e Marinhas de outras nações.

     

  • Cerimônia oficializa certificação de cilindro construído pela Nuclep para a INB

    A Nuclep celebrou, na última sexta-feira (19/01), a certificação de homologação do projeto e construção do Cilindro 30B fabricado para a INB. O certificado, que aponta as informações de análise do projeto e garante que estão de acordo com as normas de segurança nacionais e internacionais, foi emitido pela Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen), através do Ofício nº 311/17, publicado em 01/12/2017.

    A cerimônia aconteceu na fábrica da Nuclep, na presença da diretoria executiva da empresa; dos empregados da Nuclep; o ex-diretor industrial e presidente, Liberal Ênio Zanelatto; do presidente da Indústrias Nucleares do Brasil (INB), Reinaldo Gonzaga; o diretor de Enriquecimento da INB, Álvaro Luís de Souza Alves Pinto; o diretor de Radioproteção e Segurança da Cnen, Alexandre Gromann de Araújo Góes; e o gerente de Contratos do Instituto Brasileiro de Qualidade Nuclear (IBQN), João José Furley dos Santos.

    O presidente da INB, parabenizou os empregados da Nuclep e ressaltou a relevância da parceria com a empresa. “A Nuclep é nossa parceira e, com a entrega do Cilindro 30B, a contribuição com a INB é fundamental. Não tenham dúvidas que vocês fazem parte de uma área muito importante do nosso Programa Nuclear Brasileiro”.

    Este projeto atende a um contrato firmado entre Nuclep e a INB para projetar, fabricar e homologar, junto à Cnen, os primeiros embalados nacionais para armazenamento e transporte de hexafluoreto de urânio (UF6).

    O diretor de Radioproteção e Segurança da Cnen, Alexandre Gromann de Araújo Góes, comentou sobre a certificação concedida pelo órgão. “A nossa função e nossa obrigação, é ajudar e colaborar com o licenciamento do que quer que seja. É um processo formal e, nesse caso, eu tenho um grande prazer e fico muito feliz que o Brasil tenha alcançado isso”.

    A aprovação confirma que o projeto dos cilindros está qualificado para uso no processo de enriquecimento de urânio e, portanto, para a produção nacional de elementos combustíveis para reatores nucleares. Com essa certificação, o Brasil produzirá cilindros 30B necessários para suprir a demanda das usinas nucleares Angra 1 e Angra 2. Até o momento, os cilindros utilizados no país, eram produzidos no exterior, o que torna a Nuclep a única empresa brasileira certificada para fabricar esses recipientes.

    No encerramento da cerimônia, o presidente da Nuclep, Carlos Henrique Silva Seixas, destacou a relevância do projeto para o contexto nuclear brasileiro. “Esse marco aconteceu graças a união de empresas e órgãos da área nuclear juntamente com o chão de fábrica, porque sem vocês nada pode acontecer. A Nuclep produziu, a Cnen certificou e a INB vai usar. Isso demonstra a união da nossa área. ”

  • Submarino construído pela NUCLEP foi transferido para o Estaleiro da Marinha

    O primeiro submarino de propulsão convencional do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB) foi transferido, neste final de semana, para o Estaleiro de Construção, na Ilha da Madeira, no Complexo Naval de Itaguaí. O programa prevê outras três unidades convencionais e o primeiro submarino brasileiro com propulsão nuclear.

    As seções S3 / S4 / 2B, fabricadas pela Nuclebrás Equipamentos Pesados S.A  NUCLEP, fazem parte da composição do SBR-S40 Submarino Riachuelo.

    A estrutura do SBR-S40 Riachuelo foi deslocada da UFEM (Unidade de Fabricação de Estruturas Metálicas) para a NUCLEP no sábado (13). No domingo (14), foi realizada a maior parte do deslocamento incluindo a crítica passagem pelo túnel do Complexo Naval de Itaguaí.

    O trajeto, de cerca de cinco quilômetros, foi percorrido em 11 horas, começando na Unidade de Fabricação de Estruturas Metálicas (UFEM), que também fica em Itaguaí. A operação logística exigiu um planejamento de meses e incluiu a retirada de trechos da rede elétrica. Neste domingo, ocorreu a etapa mais complexa da operação, com interrupções pontuais do tráfego na BR-493, para dar passagem ao veículo especial (prancha móvel) de 320 rodas que transportou as 619 toneladas das três seções, com 39,86 metros de comprimento e 12,30 metros de altura.
     

    As duas seções restantes do Riachuelo, pesando 487 toneladas e medindo 30 metros, serão, em breve, transferidas, separadamente, para o Estaleiro de Construção, onde o submarino entrará em montagem final, a fim de ser lançado ao mar no segundo semestre de 2018.

     

  • Sucesso no embarque de peça comprova o potencial do Terminal Marítimo da Nuclep

    A empresa TechnipFMC contratou o terminal marítimo da Nuclep para realizar o embarque, via balsa, de um manifold, equipamento utilizado na área de Petróleo e Gás. O procedimento aconteceu nesta quinta-feira (11/01), dentro das normas de segurança do local.

    A operação é a terceira em seis meses, comprovando a capacidade do porto da Nuclep. O cais é certificado pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ) para manobras de embarque e desembarque de produtos industrializados, seguindo nossa licença ambiental.

    Além disso, o terminal suporta até mil toneladas e possui vantagem na concorrência para transportes fluviais, marítimos e rodoviários. Também vale ressaltar que a TechnipFMC apresenta a perspectiva de novos contratos para a Nuclep com outras empresas.

Pages